Frase

"A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus." (de Bonald).
São Paulo, domingo, 26 de fevereiro de 2006

Alckimin é conservador?

Autor: Edson Oliveira   |   14:37   2 comentários

Teste de indicação Site Petrus

Nos últimos meses têm-se discutido uma questão de fundamental importância para as próximas eleições presidenciais: o que vai fazer com que o eleitor vote em tal candidato? Certamente esta é uma pergunta que nenhum dos partidos políticos poderá deixar de responder se quiser ter chances de alcançar o executivo.

Alguns cientistas políticos, logo após a derrota do Governo no referendo sobre o desarmamento, afirmaram enfaticamente que o próximo presidente terá de ter um caráter mais conservador, não da extrema-direita, mas conservador.

Conversando com pessoas de pensamento direitista-conservador, verifiquei que alguns deles têm um certo enlevo com o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckimin, possível pré-candidato do PSDB à presidência. Dizem que ele é a esperança da direita. Inclusive boatos de que ele pertenceria ao movimento católico conservador Opus Dei foram espalhados pela mídia.

Neste artigo, de forma muito resumida, gostaria de tratar desse ponto e abrir outro: 1) se o Sr. Alckimin é conservador; 2) Se a mídia quer preparar o campo para uma nova vitória de Lula.

Vamos à primeira. Admiti-se em geral que o adjetivo de conservador se reserva a pessoas que têm anseios para conservar na sociedade certos aspectos como, para enumerar apenas alguns, a família monogâmica, o casamento somente entre pessoas de diferentes sexos, a hierarquia justa e harmônica no tratamento entre pessoas de níveis diferentes, a defesa sem restrições da vida desde sua concepção, planejamento familiar feito de forma natural e não artificial etc.

No final de janeiro, deste ano, o Sr. Alckmin fez várias visitas a cidades do Nordeste, e enquanto estava na capital pernambucana concedeu uma entrevista na qual afirmava que o aborto não é solução, mas no decorrer da entrevista percebe-se que ele não é totalmente contra o assassinato de nascituros, apenas ele acha que esse tema nós “Podemos avaliar para outros casos, mas não é solução”.

Sobre o “casamento” de homossexuais, o Sr. Alckmin disse que se o Congresso Nacional aprovar a lei, "nenhum problema". "É um contrato, eu respeito as pessoas e a maneira de elas viverem", declarou.

Ao tratar sobre “células-tronco” o governador deixou margem a muitas interpretações quando disse ser favorável às pesquisas, mas dentro de "padrões éticos", não especificando quais seriam e não disse se é a favor a fazer pesquisas em “células-tronco” adultas ou embrionárias - no qual envolveria a prática do aborto.

Alckmin aproveitou a oportunidade para deixar claro que não pertence à Opus Dei. Disse que "a confusão" surgiu porque um tio dele, já morto, o "tio Zeca", e uma prima, "Maria Lúcia", integravam a entidade.

Aliás, para tentar mostrar que não tem perfil conservador, o governador fez um resumo de sua carreira política. Lembrou que entrou na vida pública aos 19 anos, "em plena ditadura militar", e que combateu o regime.

Agora cito uma frase de Alckimin que ligará com o ponto dois do presente artigo “O governo do PT é que faz uma política muito conservadora". "Mais que conservadorismo, é medo. Não é só falta de ousadia. É conservadorismo, falta de ousadia e medo."

Bem, entro agora no ponto dois do artigo: Se a mídia quer preparar o campo para uma nova vitória de Lula.

Não pretendo tratar aqui o que o Sr. Alckmin entende por conservadorismo, mas como isso pode fazer parte de um jogo de opinião pública.

Não quero aqui fechar a questão, pretendo apenas abrí-la, pois, para mim é estranho ver, justamente quando se anuncia que o eleitorado tenderá para um candidato mais conservador, um deles lutar para mostrar que não tem o tal perfil e ainda apontar que o adversário o tem.

Aliás, vejo correntemente nos jornais pessoas de esquerda chamando Lula de conservador, FHC foi um deles.

Será que a mídia está querendo criar um ambiente parecido com o que antecedeu a vitória de Lula a quatro anos atrás? Será que estamos novamente diante da tática “lulinha paz e amor”?

Não estou afirmando que essa tática será o único artifício utilizado pela mídia se ela estiver pretendendo apoiar o atual presidente. O fato é que se a mídia quiser lançar novamente Lula ao poder usará de outras manobras psicológicas como esta, e apenas quero abrir os olhos do leitor para esta psy-war, onde as palavras e seus significados têm seus efeitos na opinião pública.

São Paulo, sábado, 25 de fevereiro de 2006

Sobre o Blog

Autor: Edson Oliveira   |   22:35   15 comentários

Os editores deste espaço "politicamente incorreto" não são ex-comunistas, nunca participaram das agitações estudantis da UNE, não recebem verbas governamentais e nem estão filiados a qualquer partido político. Enfim, são apenas conservadores... sim, e daí?

Edson Carlos de Oliveira - Administrador, idealizador e webdesign deste blog (e-mail para contato)
Helio Dia Viana - Jornalista da agência Boa Imprensa
Luis Dufaur - Articulista da revista Catolicismo e autor de três livros (*)
Paulo Roberto Campos - Jornalista freelancer (Associação Paulista de Imprensa)
Marcos Luiz GarciaOrientador e Conselheiro de Campanhas da Associação Devotos de Fátima.
Rodrigo Amorim  -Nosso correspondente na França
Ivan Rafael de Oliveira - Articulista do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

(*)A aparição de La Salette e as suas profecias (118 pgs, Ed. Petrus), A Santa Túnica de Nosso Senhor  (Ed. Petrus), Lourdes e as suas aparições (102 pgs. Ed. Petrus).
***
De início, este blog era o espaço pessoal para meus desabafos. As raras visitas que recebia – e mesmo assim depois de muito spam auto propagandístico para os amigos – demonstrava que eu seria o meu único leitor.

O contador do blog não mentia: era um sucesso quando conseguia 15 visitas no dia, sendo que 5 delas indicavam como IP de origem o meu próprio computador e as outras 10, em média, não ficavam mais que 7 segundos no blog.

Ora pois, nada de desânimo! Era o que eu repetia a mim mesmo já quase sem forças.
Bom, mas depois de 5 anos no ar, meu blog virou um sucesso. Consegui que meu afilhado visitasse todo dia – ou quase isso – este espaço, o meu tio de vez em quando dá uma passada por aqui e meu primo costuma ver o que escrevo para saber em que cidade estou atualmente. Não posso esquecer, é claro, dos visitantes que caem aqui quase sem querer através do Google. É um verdadeiro sucesso da internet! Ultrapassei 50 visitas diárias – tira o olho gordo, rapaz!

A todos, muito obrigado!

E para comemorar, consegui convencer seis amigos – que corajosos - para fazerem parte desse blog: Helio Viana (Jornalista da agência ABIM), Luis Dufaur (autor de três livros), Marcos Luiz Garcia, Paulo Roberto Campos (Associação Paulista de Imprensa), Ivan Rafael (Curitiba/Pr) e Rodrigo Amorim (França). Agora este espaço conta com um corpo redatorial. Logo, logo, a Folha de São Paulo vai ficar para trás.

Um brinde! Especialmente a todos aqueles que fazem o sacrifício de acompanhar este blog!

Edson Carlos de Oliveira
29 de Abril de 2011
____________________

Homenagem

Autor: Edson Oliveira   |   18:22   1 comentário

Infelizmente não possuo um vocabulário rico e, por isso, muitas palavras me faltam para descrever os meus sinceros sentimentos neste momento.

Não podia iniciar este blog sem antes homenagear aquele que tanto bem me fez: Plinio Corrêa de Oliveira (1908 - 1995; foto ao lado).

Agradeço muito a esse grande líder católico por toda a visão de História Universal e política atual que conheci através de seus diversos livros, artigos e, mais do que isso, dos seus discípulos e filhos espirituais que atualmente mantém a escola contra-revolucionária.

Mas, o maior bem que recebi deste homem de pensamento e de ação foi a devoção à Nossa Senhora. Em conversas com seus discípulos, aprendi a amar a recitação cotidiana do rosário e nunca mais deixei de rezá-lo. O amor a Nossa Senhora é um dos fundamentos da escola contra-revolucionária.

A Providência, por motivos justos, não permitiu que eu chegasse a conhecer pessoalmente o professor Plinio C. de Oliveira, mas sinto que faço parte de uma de suas obras póstumas, ou seja, o apostolado que seus fiéis discípulos continuaram a desenvolver pelo Brasil e pelo mundo afora.

Fica aqui minha singela homenagem ao professor Plinio Corrêa de Oliveira e aos continuadores de sua luta da Associação dos Fundadores e demais associações do mundo, fiéis aos seus ensinamentos e a defesa dos pilares da Civilização Cristã: Tradição, Família e Propriedade.

Edson Carlos de Oliveira
25 de fevereiro de 2006