Frase

"A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus." (de Bonald).
São Paulo, sábado, 5 de dezembro de 2009

Candidatos pró-aborto não podem representar cidadãos honestos, diz arcebispo

Autor: Edson Oliveira   |   10:48   Seja o primeiro a comentar


Ao parabenizar o Pe David Francisquini pela publicação do livro Catecismo Contra o Aborto, o arcebispo emérito de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho, em carta enviada ao autor, diz que "é extremamente preocupante o silêncio de tantas pessoas - principalmente dos que exercem autoridade pública -  diante desta tragédia que continua a acontecer, cada ano, no mundo inteiro: a eliminação da vida de aproximadamente cinqüenta milhões de seres humanos inocentes e indefesos."

Por essa razão, para os que se mantém em silêncio, Dom José lembra que isso "pode ser interpretado como aceitação tácita e pode constituir cumplicidade na prática do aborto."

"Os cidadãos honestos não podem colaborar – através de seu voto democrático - nesta tragédia colaborando para conferir cargos públicos a candidatos que defendem o aborto, o divórcio e outras violações da Lei de Deus", escreve o arcebispo. "Tais candidatos não podem representar os católicos ou cristãos ou qualquer cidadão honesto".

O prelado termina sua missiva recordando o que diz o Catecismo da Igreja Católica: “A vida humana deve ser respeitada e protegida de maneira absoluta a partir do momento da concepção. Desde o primeiro momento de sua existência, o ser humano deve ver reconhecidos os seus direitos de pessoa, entre os quais o direito inviolável de todo ser inocente à vida...” (n. 2270).

Para adquirir o Catecismo Contra o Aborto, acesse:
http://www.fundadores.org.br/abortonao/acao/290609/catecismocontraaborto.htm

São Paulo, sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Repúbrica - Moda de viola

Autor: Edson Oliveira   |   18:33   8 comentários

(Este artigo foi atualizado em 1/12/2009 às 23:07)

Trata-se de uma música da campanha monarquista do plebiscito de 1993. Infelizmente não conheço o nome do autor da letra e de seus intérpretes.

Clique abaixo para ouvir:

Download

(Veja, no final, como colocar essa música em seu blog)

Por decreto-lei sou repubricano,
pois quem decretô foi o Floriano.
Voto obrigado uma vez por ano,
capricho nos voto e faço meus plano,
mas no fim das conta entro pelo cano, oiá.

Cada vez que eu voto, voto deferente,
é prá vereador, é prá presidente,
voto num pilantra muito eloqüente
ou num carcareco que me mostra os dentes,
só não abro mão do voto consciente. (Oh! Eleição danada!)

O meu candidato topa desafio,
e promete ponte onde não tem rio,
e promete escola pra educá meus filho
e enchê meus bolso que nasceu vazio,
mas depois de eleito fica no macio. (Candidato bão, sô!)

O meu candidato é muito preparado,
corre atrás de voto que nem cão danado.
Já foi bem vermeio tá esverdiado.
Sabe despistar o que fáiz de errado.
Mas tem rabo de palha prá todo lado, oiá.

Candidato gosta é de cambalacho,
ele lá em cima, nóis aqui embaixo.
Prá ganhá os voto banca o cabra macho,
mas deixa o povão com cara de tacho.
Quero gente boa, mas eu nunca acho, oiá.

Pago muito imposto e quero melhoria,
nunca tenho vez, sempre entro em fria.
Acabô a verba, a caixa tá vazia,
Mas sobra de monte pro trem da alegria.
E quem sai ganhando é mesmo a quadrilha. (hahá! verba marvada!)

Sobe o candidato e pára o que o outro fez.
Inaugura obra três ou quatro vez,
o preço de uma dá prá mais de três,
vou votar de novo porque sou freguês.
Mas se eu pudesse punha no xadrez, oiá.

Essa tar repúbrica não me tapeia,
encheu tanto a cara, que já cambaleia.
Anda capengando que nem vaca véia
toda remendada e cada vez mais feia,
Doente terminal não há quem remedeia. (Aí, republica danada sô!)

Já bancou repúbrica triunfalista,
Foi nova repúbrica e foi getulista,
repúbrica véia parlamentarista,
era Brasil novo e já baixou a crista.
Mas o que resorve é ser monarquista!

***

Para colocar o áudio em seu blog, copie e cole o seguinte código HTML:

São Paulo, segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Não há hospitais na Itália?

Autor: Edson Oliveira   |   00:17   Seja o primeiro a comentar


O governo brasileiro alegará "razões humanitárias" para contrariar a decisão do STF de extraditar o italiano Cesare Battisti, ex-integrante do movimento Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), que foi condenado em seu país à prisão perpétua por quatro assassinatos.

A tal "razão humanitária" é devido a saúde do terrorista. O governo diz que ele está doente.

Se Lula for visitar a Itália, sugiro ao governo desse país que faça com ele um tour pelos hospitais, pois parece que nosso presidente desconhece a existência dessa instituição em solo italiano.

São Paulo, sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Não acredito em bruxas...

Autor: Edson Oliveira   |   00:57   4 comentários

... mas que elas existem, existem!

Em outubro, realizou-se na cidade de Tucumán, Argentina, o 24º Encuentro Nacional de Mujeres que, como aconteceu em suas versões anteriores, terminou com uma marcha pacífica pela cidade - sim, estou sendo irônico.

No texto de convocação encontra-se entre as bandeiras defendidas pelas feministas, como não podia deixar de ser, " los derechos sexuales y reproductivos" e "la despenalización y legalización del aborto".

Ainda na redação, elas afirmam que uma das notas desses encontros é a democracia. Bem entendido, democracia é aceitar o que elas querem, qualquer oposição é sinal de ditadura. Não aceitam nem mesmo a oposição daqueles que heroicamente rezam o terço e se interpõe entre a marcha e a Igreja para evitar pichações e atos de vandalismos contra o templo.

Veja o vídeo (até mesmo para entender o título do artigo) e algumas fotos da pacífica marcha:


Foi tão pacífica a manifestação que este opositor dormiu durante marcha, seu sono continuou no Hospital:


Em nenhum momento houve qualquer provocação por parte das manifestantes:



Elas roubaram um rosário dos opositores e, depois de fazerem coisas indescritíveis, o destroçaram num sinal de respeito a opinião alheia:

 

Nem os policiais escaparam das consequências pacíficas da marcha democrática:

 

Abaixo vê-se qual é a maneira democrática com que as participantes da marcha trataram quem a elas se opuseram: cuspiram no rosto.


Outra manifestação democrática e pacífica: pichar nas roupas dos opositores e desenhar bigodes no rosto deles:


Isso tudo porque esses jovens opositores baderneiros atrapalharam a marcha recitando em voz alta as orações do Rosário e impediram a democrática depredação da Catedral.

São Paulo, segunda-feira, 16 de novembro de 2009

O Muro de Berlim caiu...

Autor: Edson Oliveira   |   19:36   Seja o primeiro a comentar

... lá na europa. Por aqui querem levantá-lo.



Segue discurso do Deputado Lael Varella pronunciado dia 11 de novembro na Câmara dos Deputados.

O SR. LAEL VARELLA (DEM-MG. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, há 20 anos caía o Muro de Berlim, o tristemente celebra Muro da Vergonha ou Cortina de Ferro. As duas décadas de sua queda foram lembradas no último dia 9/11, com homenagens às vítimas do regime comunista e com agradecimentos aos líderes que ajudaram na sua derrubada, na reunificação do país e no fim da Guerra Fria.

Segundo o noticiário, cerca de 100 mil pessoas enfrentaram a chuva e o frio e se reuniram em frente ao Portão de Brandenburgo, numa noite de emoção e gratidão. A chanceler alemã, Ângela Merkel, homenageou os proibidos de sair do lado oriental durante anos, conforme notícia de Lourival Sant’Anna do jornal O Estado de São Paulo.

Construído pelo regime comunista na madrugada de 13 de agosto de 1961, o agourento Muro foi erguido com o pretexto de servir de 'barreira de proteção antifascista'. Na prática, servia para impedir a fuga em massa de cidadãos para o encrave capitalista de Berlim Ocidental.

No início era apenas uma cerca de arame farpado, mas depois chegou a ser uma imponente construção de 156 quilômetros, sob rígida vigilância de militares com ordens para alvejar quem tentasse escapar. Segundo um estudo publicado neste ano, pelo menos 136 pessoas morreram em tentativas de fuga entre 1961 e 1989.
Mas nem um único tiro foi disparado quando o Muro caiu e a noite se transformou em festa gigantesca, com os alemães orientais invadindo as ruas de Berlim ocidental em descrença, e moradores de ambos os lados do Muro se abraçando impulsivamente.

Sr. Presidente, essa festa pelo seu simbolismo precisaria ser comemorada no Brasil com toda a grandeza que ela merece.

Entretanto, nós estamos assistindo ao recuo da história com cenas trágicas de movimentos tentando implantar um regime semelhante ao muitas vezes fracassado socialismo.

Não bastasse a indignação levantada contra o MST pela destruição do laranjal da Cutrale, em São Paulo, agora no Pará, o MST continua derrubando, queimando, assaltando, roubando! Cem homens armados e encapuzados acabaram de derrubar e queimar casas, expulsar empregados e atear fogo em tratores, além de roubar gado em duas fazendas no sul do Pará. (OESP, 4/11/2009).

Mulheres, crianças e idosos tiveram de fugir para não ser espancados. O avião com três mulheres e três crianças, expulsas pelo MST, caiu logo depois de decolar de uma das fazendas. O comandante e o piloto ficaram feridos. A Delegacia de Conflitos Agrários abriu inquérito para apurar os atos de vandalismo. Os policiais e a imprensa tiveram dificuldades para chegar às propriedades.

O MST bloqueou a rodovia, afirmando que a ação foi um protesto contra a morosidade da Reforma Agrária no Estado. Os invasores chegaram de madrugada, gritando que todos deveriam sair imediatamente, e passaram a destruir as casas e os currais, usando tratores da fazenda, que em seguida foram incendiados por aquelas mãos criminosas.

A polícia constatou danos também na fazenda Rio Vermelho. Uma vila de casas, onde moravam 30 empregados, foi incendiada. Maria Raimunda, coordenadora do MST e da invasão, afirmou que a incursão foi apenas para 'protestar contra a presença de escolta armada' na área.

Na tarde do último domingo, uma cena que faz lembrar os traficantes do Rio de Janeiro, um helicóptero da fazenda teria sido alvo de disparos quando sobrevoava uma área de retiro de gado da Santa Bárbara com uma equipe de reportagem da Confederação Nacional da Agricultura — CNA. Os jornalistas filmavam as ações dos sem-terra a pedido da presidente da entidade, Senadora Kátia Abreu.
Escutamos quatro ou cinco estampidos de tiros de revólver e o piloto subiu para sair do alcance conta Oscar Boller, gerente da Fazenda Espírito Santo, em Xinguara, que também pertence ao grupo e foi invadida nos últimos dias. A câmera de vídeo registrou, em áudio, o estampido dos disparos e as imagens de sem-terra armados ateando fogo em pastagens e instalações.

Sr. Presidente, que os 20 anos da queda do Muro de Berlim sejam lembrados com todas as homenagens às vítimas do regime comunista com a esperança de que seja extirpado essa falsa ideologia, essa vergonha de nosso tempo assim designado pelo Cardeal Joseph Ratzinger, atual Papa Bento XVI, não só na Europa, mas em todo o mundo. E também aqui no Brasil. Tenho dito.

Termino citando trechos da grande interpelação feita por Plinio Corrêa de Oliveira no dia 11 de fevereiro de 1990, Festa de Nossa Senhora de Lourdes.

IV – Interpelação aos dirigentes dos diversos PCs disseminados pelo mundo

– Nada viram?

Durante décadas a fio, os líderes comunistas dos diversos países mantiveram constante e multiforme contacto com Moscou, e ali estiveram, mais de uma vez, recebidos normalmente como comparsas e amigos.

– Nada contaram?

E sempre que chegavam de volta aos seus países tomavam imediato contato com os respectivos PCs, onde todos lhes perguntavam sofregamente o que haviam visto e ouvido nesta verdadeira Meca do comunismo internacional que é Moscou.

– Se conheciam o trágico fracasso do comunismo, por que o queriam para suas pátrias?

Se os chefes comunistas no mundo livre sabiam que o fruto do comunismo era o que agora o mundo inteiro vê, por que conspiravam para estender esse regime de miséria, escravidão e vergonha, a seus próprios países?

V – Por que combatiam implacavelmente os anticomunistas, os quais erguiam barreiras contra a penetração da desgraça soviética em seus países?

Entretanto, havia ainda mais grave. Por que esses líderes comunistas disseminados pelo mundo somaram à enganosa patranha do silêncio organizado sobre o 'paraíso' soviético, também a detração sistemática e infatigável, durante sete décadas a fio, contra todos os que – indivíduos, grupos ou correntes – se empenhavam dedicadamente em evitar para suas pátrias a desdita soviética, abrindo para esta os olhos da opinião pública?

– Interpelação? – Não: apelo fraterno

A vós, diletos irmãos na Fé, a cuja vigilância a falácia comunista transviou ou está em vias de transviar, não faremos uma só interpelação. De nosso coração sempre sereno parte, rumo a vós, um apelo repassado de ardoroso afeto in Christo Domino: diante do quadro terrível que nestes dias se esboça a vossos olhos, reconhecei, pelo menos hoje, que fostes ludibriados. Queimai o que ajudáveis a vencer. E combatei ao lado daqueles que ainda hoje ajudais a 'queimar'.

Sinceramente, categoricamente, sem ambiguidades tendenciosas, mas com a franqueza tão enormemente respeitável que é inerente à contrição humilde, voltai vossas costas para os que cruelmente vos têm enganado. E ponde em nós vosso olhar, serenado e fraterno, de irmãos na Fé.

São Paulo, terça-feira, 10 de novembro de 2009

Quando os antropólogos chegam...

Autor: Edson Oliveira   |   00:10   Seja o primeiro a comentar

São Paulo, sábado, 7 de novembro de 2009

Infanticídio indígena: a tragédia silenciada

Autor: Edson Oliveira   |   20:39   Seja o primeiro a comentar



Você sabia que, em várias tribos indígenas no Brasil, crianças recém-nascidas são enterradas vivas, estranguladas, ou simplesmente deixadas na mata para morrer?

Você sabia que a FUNAI (Fundação Nacional do Índio) está de acordo com essa prática nefanda, em nome do respeito à “cultura indígena”?

Você sabia que o CIMI (Conselho Indigenista Missionário da Igreja Católica) concorda com a atitude da FUNAI e se recusa a ajudar os índios a abandonar tais práticas?

As denúncias são muitas, os fatos são facilmente verificáveis, a verdade está aí diante de todos. Só os que se cegaram voluntariamente não a podem — ou não querem — ver. Muitos dos próprios índios já se opõem ao morticínio. Entretanto, a FUNAI e o CIMI ignoram suas vozes e são contra um projeto de lei que visa acabar com o infanticídio.

O livro eletrônico Infanticídio indígena no Brasil –– a tragédia silenciada, da lavra de Raymond de Souza, visa alertar os brasileiros, as autoridades civis e especialmente religiosas, para que façam um compromisso com a “cultura da vida” e se empenhem para que acabe de uma vez o infanticídio em nossas tribos indígenas.

Para fazer o download gratuito do livro, visite o site:
http://SaintGabriel-International.com/infanticidio.htm

Infanticídio indígena no Brasil –– a tragédia silenciada termina com um apelo ao Papa Bento XVI, pedindo sua intervenção junto aos bispos do Brasil, a fim de que ajam em conjunto para extinguir de uma vez esse crime, que brada aos Céus: o assassinato de crianças recém-nascidas, sob o olhar cúmplice do Conselho Indigenista Missionário, da CNBB.

A obra respeitosamente lembra ao Sumo Pontífice que, há 121 anos, o Papa Leão XIII dirigiu-se aos bispos brasileiros a fim de que trabalhassem em conjunto para terminar a escravidão. Os bispos ouviram o Papa, e a princesa Isabel assinou a Lei Áurea.

Chegou a hora de falar para terminar o morticínio!

Segundo Raymond de Souza:

1) Uma nova ideologia de desrespeito à Constituição do País — a qual garante o direito à vida de todos os brasileiros, inclusive o das crianças índias recém-nascidas — está sendo defendida pela FUNAI, com toda a impunidade;

2) Entre os missionários do CIMI, uma nova religião está sendo promovida, defendendo o paganismo, a superstição, a barbárie e o infanticídio como se fossem expressões culturais autênticas, dignas de um missionário cristão;

3) A Lei natural não conta, os Dez Mandamentos não contam, a grande missão que Jesus Cristo outorgou à Igreja, de ensinar e batizar, não conta;

4) Entrementes, sob o pretexto de procurar manter a “cultura indígena”, milhares de crianças inocentes são assassinadas.

São Paulo, quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Para entender o caso Zelaya

Autor: Edson Oliveira   |   22:45   7 comentários

Bernardo Martins

Alguns verbetes para interpretar corretamente a linguagem da mídia-esquerdista sobre o caso Zelaya:

Golpe de estado: quando se derruba um líder esquerdista;

Reação popular contra a opressão: quando se derruba um líder 'plûtot' conservador, ou pelo menos que não faça o jogo da esquerda;

Movimento social: revolução armada para tomar o poder;

Conspiração da elite: reação popular contra a esquerda;

Democracia: as bandeiras da esquerda;

Ditadura, autocracia: as bandeiras anti-esquerda;

Povo: revolucionários ligados ao partidão ou aos movimentos sociais (vide acima: Movimento Social);

Elite podre: qualquer um, mesmo que pobre, que se opõe à esquerda;

Massa de manobra: gente honesta e trabalhadora que não vota na esquerda (vide também: Elite podre);

Povo consciente: vide: Povo;

São Paulo, terça-feira, 6 de outubro de 2009

Fora! Zelaya

Autor: Edson Oliveira   |   23:18   1 comentário

Envie mensagem de protesto ao Ministro das Relações Exteriores do Brasil

Fora Zelaya! V. está em nossa embaixada em Tegucigalpa não para resolver a crise de seu país pelas vias institucionais, mas para, com a cumplicidade de nosso governo, impor a Honduras uma rendição ao chavismo.

Fora Zelaya! Nossos compatriotas não querem ser envolvidos em conflitos que eles nunca buscaram, apenas porque o fanatismo ideológico de nossa diplomacia, para atender aos desígnios de Hugo Chávez, decidiu permitir que nossa embaixada fosse o quartel-general para organizar sua insurreição.

Fora Zelaya! É urgente que v. abandone o prédio de nossa embaixada e se entregue às autoridades do seu país para ser julgado pelos crimes de que é acusado e deixe de contar com a proteção de nosso governo para acobertar a ilegalidade.

Envie mensagem de protesto ao Ministro das Relações Exteriores do Brasil

Fora Zelaya! Honduras necessita de paz e de respeito à sua soberania e não de gritos de guerra partidos da embaixada brasileira em Tegucigalpa.

Fora Zelaya! É urgente que V. abandone a embaixada brasileira e deixe de fazer dela o quartel-general de onde lança seus apelos a uma insurreição que pode conduzir a uma luta fratricida entre hondurenhos.

Fora Zelaya! V. tem o apoio de nossa diplomacia, cooptada pelo chavismo, mas não de nosso povo, conservador e cristão, que deseja a harmonia política e social e o bom entendimento entre os povos irmãos da América Latina.

Envie mensagem de protesto ao Ministro das Relações Exteriores do Brasil

Fora Zelaya! É importante que Honduras, o Brasil e toda a América Latina fiquem a salvo das intrigas, das ameças, das incursões e de uma eventual hegemonia do “socialismo do século XXI”. Por isso saia logo de nossa embaixada.


Fora Zelaya! Sua presença em nossa embaixada, com a cumplicidade de nossa diplomacia, é uma ofensa a nosso povo, tradicionalmente pacato e avesso às ideologias de esquerda, que tantos confrontos, misérias e dores já causaram no mundo.

Fora Zelaya! Hugo Chávez, o caudilho venezuelano, se vangloria de o ter introduzido clandestinamente em Honduras e recomendado que se abrigasse em nossa embaixada, para daí iniciar um movimento de insurreição. Infelizmente nossa diplomacia se prestou a isso, mas nós os brasileiros somos totalmente contrários ao que aconteceu.

Fora Zelaya! Nós brasileiros sabemos perfeitamente que, primeiro, V. violou uma cláusula pétrea, o artigo 239 da Constituição de Honduras, quando tentou convocar um plebiscito para permitir-lhe eternizar no poder, numa manobra "chavista" ou bolivariana, e por isso foi deposto. V. não foi vítima de um golpe como alguns pretendem convencer a opinião mundial, mas foi deposto.

Fora Zelaya! Ainda é tempo de evitar um derramamento de sangue em sua pátria. Não desejamos ser o estopim e cúmplices de uma guerra civil em Honduras que poderá, depois, estender-se aos países vizinhos.

Fora! do Brasil, fora! de nossa Embaixada!
Fora!... Fora!...

Envie mensagem de protesto ao Ministro das Relações Exteriores do Brasil

São Paulo, terça-feira, 29 de setembro de 2009

Não aguento mais!

Autor: Edson Oliveira   |   23:46   Seja o primeiro a comentar


Na última reunião da ONU, havia o limite de 15 minutos para cada chefe de Estado discursar. Mas o "Cháves" da Líbia, no melhor estilo de Fidel Castro, Muammar Kadafi (foto ao lado), demorou nada menos que 1 hora e 35 minutos para falar suas abobrinhas.

Depois de 75 minutos, o intérprete encarregado da tradução simultânea exclamou aquilo que estava na garganta de muitos: "Não aguento mais!".

Lula na ONU

Autor: Edson Oliveira   |   23:17   Seja o primeiro a comentar




Anti-intervencionismo de Lula

Em seu discurso na abertura da Assembléia-Geral da ONU, no dia 23, em Nova York, Lula criticou o embargo econômico imposto pelos Estados Unidos a Cuba, que ele considera “anacrônico”.1

Sobre Honduras, Lula defendeu a restituição imediata ao cargo do presidente deposto, Manuel Zelaya, e ainda conseguiu afirmar que o Brasil é neutro no conflito.2

Como não podia faltar, rogou pela existência do Estado palestino.2

Ingenuidade ou cumplicidade?

Ainda no dia 23, Lula recebeu a visita do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad. Confirmou a visita deste ao Brasil em novembro e acrescentou que viajará ao Irã no fim de 2010. Sobre o programa nuclear do Irã, Lula defendeu que o país tenha direito de usar a energia apenas para fins pacíficos.3

__________________
Fontes:
1. O Estado de S. Paulo, 18 de setembro de 2009.
2. O Estado de S. Paulo, 24 de setembro de 2009.
3. O Estado de S. Paulo, 23 de setembro de 2009; O Estado de S. Paulo, 24 de setembro de 2009.

São Paulo, sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Atriz defende personagem

Autor: Edson Oliveira   |   11:50   Seja o primeiro a comentar

"As pessoas estão desatualizadas. Sexo está na boca de todo mundo, como bala na boca de criança" (*)
 Assim afirmou Lúcia Berta, atriz que fez a personagem da avó-hippie-moderna que incentivou sua neta a fazer sexo quanto esta falou em casamento. (vide post: Propaganda dos chinelos Havaianas incentiva promiscuidade)

Um dos problemas dessa defesa é que "crianças com bala na boca" estavam vendo televisão quando a avó-hippie deu aquele conselho imoral. Nada mais constrangedor para qualquer pai de família.

Creio que não, mas apenas para tentar me exprimir, se no lar da atriz ou nos estudios de marketing  isso é dito com frequência perto de menores de idade, pelo menos não levem isso para os lares alheios.

(*) Censuraram a vovó do comercial de TV

Propaganda dos chinelos Havaianas incentiva promiscuidade

Autor: Edson Oliveira   |   00:05   6 comentários


Observação: a análise abaixo diz respeito aos personagens da propaganda e não aos atores que desempenharam os papéis.

Recentemente ocorreu uma polêmica sobre a nova propaganda dos chinelos Havaianas onde uma avó incentiva sua jovem neta a ter uma vida promíscua.

Na cena, sob protesto da avó que vê sua neta usando chinelos dentro do restaurante, a jovem defende o uso desta indumentária como um sinal de modernidade: “Deixa de ser atrasada, né, vó!”.

Até aí nada de extraordinário. Cena comum e típica. Abstraindo o chinelo, o argumento é conhecido. Ele foi utilizado em quase todo o século XX e os maiores disparates ganharam direito de cidadania assim: acusando seus opositores de “anti-modernos”, “atrasados”, “caretas”, etc. A propaganda revolucionária não dispensava essa tática para fazer caminhar a sociedade no sentido da utopia marxista. Tudo quanto era obstáculo a eles logo ficava tachado como anti-moderno. E a mídia nisso tanto ajudou – e ajuda!

A Igreja, a moral, a ética, o papado, as monarquias, os reis, os nobres, os proprietários, as tradições, as elites, a aristocracia, até os sapatos, tudo entrou para o Index Anti-Modernorum Prohibitorum. Quem isso defendesse estava excomungado pelas leis da modernidade que encaminha a sociedade para uma igualdade cada vez mais radical, uma liberdade total, mas numa fraternidade onde a liberdade não gere desigualdade. Ideal esse tão caro ao antigo morador da casa localizada na Brückenstrasse, nº 664, atualmente nº 10, em Trier, Alemanha.

Os jovens da década de 60, para satisfazer seus caprichos libertários, assim também tachavam seus pais e avós que se calavam envergonhados, como se estivessem diante de um forte argumento... argumento vazio de idéia, mas cheio de ameaças.

Explico.

Aristóteles ensinou que o Homem é um ser sociável por natureza. A modernidade com suas doutrinas filosóficas loucas e gagás combate esse velho pensador, mas usa uma de suas máximas sociológicas como arma para fazer a sociedade aceitar suas bandeiras. Quando alguém é chamado de “atrasado” fica dito indiretamente algo assim: “Olhe, tome cuidado, o mundo não é mais assim, você vai ficar isolado!”.

É a chantagem do isolamento social. E diante da ameaça de ter que cumprir essa pena dolorosa, aplicada a todos os que cometem o crime hediondo de contrariar os ventos modernos, a reação do instinto de conservação sugere aos réus da modernidade o famoso “ceder para não perder”. Exemplo disso é o elogio que a velha faz ao chinelo depois que a neta a chama de atrasada. A avó muda até de aparência, desfaz a cara de carrancuda e passa para um sorriso amigável.

A novidade da propaganda vem agora.

Entra em cena um “menino da televisão”. Um jovem que aparenta ter a mesma idade da moça. A avó então diz que a neta “tinha que arrumar um rapaz assim”. Mas a neta contra-argumenta dizendo que devia ser muito ruim casar com alguém famoso. A velha avó que deve ter vivido sua terceira década de vida nos anos 60, pegando em cheio toda aquela revolta sexual, diz com uma voz desolada: “Mas quem falou em casamento, tô falando em sexo!”.

Ao contrário da reação que teria um hippie baderneiro da Woodstock, de cujos cantores a avó-hippie deve ter vinis guardados, a neta sorriu desconcertada como quem não esperava tal atitude de uma senhora de idade. Então a velha-avó-hippie conclui o comercial: “Depois eu que sou atrasada?”

Não sei se foi intenção dos marqueteiros, mas ao menos o vídeo demonstra, salvo melhor juízo, certa realidade ao frisar que as gerações mais novas não acompanharam em certo sentido o ardor do prazer suíno da Revolução de 68, a qual a personagem avó-hippie pegou em cheio.

Aquela velha ameaça que um jovem libertário falaria para seus maiores tempos atrás, agora uma velha libertária fala para seus menores. O mundo gira mesmo! O pêndulo do velho relógio da História está voltando para o outro lado.

Em todo caso, o comercial passava durante o dia e inúmeras crianças assistiram ao convite da avó-hippie. Novamente a mídia acolitando a Revolução cultural.

Veja o comercial:


A propaganda, a contragosto dos produtores, não é mais transmitida pela TV por causa dos inúmeros protestos que recebeu. A prova do desgosto deles é a mensagem televisiva que eles colocaram no lugar:

São Paulo, segunda-feira, 14 de setembro de 2009

400 milhões de pessoas foram impedidas de nascer na China

Autor: Edson Oliveira   |   00:16   Seja o primeiro a comentar

O controle forçado da natalidade na China ‒ mais conhecido como política do filho único ‒ impediu nascer quatrocentos milhões de seres humanos, declarou ao diário “Avvenire” o dissidente chinês Harry Wu, diretor da Laogai Foundation, exilado em Washington.

Pequim impede as nascenças com métodos coercitivos e brutais como aborto e esterilizações feitas com violência, narrou Wu. Nas zonas rurais é muito forte o desejo de ter uma família numerosa, mas essa aspiração não é tolerada. A mídia, toda oficial, não informa os abusos da policia.

Chen Guang­Chen, um advogado cego que deu assistência legal às vítimas da campanha de esterilização forçada no condado de Linyi, em 2005, foi condenado por isso mesmo a quatro anos de cárcere.

Estes crimes e violações dos direitos humanos são bem conhecidos no Ocidente, acrescenta Wu. Porém, os simpatizante ocidentais da filosofia socialista de Pequim tentam “encobrir” o problema espalhando que abortos e esterilizações são voluntárias, o que é absolutamente falso, sublinha Wu.

Wu se mostra surpreso pelo fato de o controle demográfico chinês não ter produzido reações nos EUA. E, não só nos EUA. O caso evidencia os obscuros liames que ligam a filosofia anti-vida no mundo comunista e nos nossos países.

Fonte: Blog Pesadelo Chinês

São Paulo, domingo, 13 de setembro de 2009

Finalidade do Bolsa Família explicada pelo Lula

Autor: Edson Oliveira   |   23:48   1 comentário


Vide vídeo abaixo:






“Distribuir comida é moeda de troca em época de eleição. A lógica é manter a política de dominação que é secular no Brasil” (Lula)

São Paulo, segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Cerimônia islâmica em Viena

Autor: Edson Oliveira   |   05:24   Seja o primeiro a comentar

“Omnes dii gentium, daemonia” (Salmos 95, 5).

Obs: esse vídeo contém cenas fortes.



São Paulo, sábado, 15 de agosto de 2009

Noël d'autrefois - Plácido Domingo e Charles Aznavour

Autor: Edson Oliveira   |   12:18   Seja o primeiro a comentar

Plácido Domingo e Charles Aznavour, acompanhados pela Orquestra Sinfônica de Viena, cantam neste dueto como era o Natal de outrora.

Infelizmente não conheci essa época natalina que com tanta tristeza a música Noël d'autrefois chora seu desaparecimento, mas quem disse que não podemos restaurá-la?

São Paulo, quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Fé medieval

Autor: Edson Oliveira   |   05:47   Seja o primeiro a comentar

Transcrevo um fato interessante sobre a Fé medieval, do livro "A Igreja das Catedrais e das Cruzadas", de Daniel-Rops, que um amigo me enviou por e-mail.
"A fé é o traço psicológico decisivo em todas as manifestações da atividade humana neste período. Nada se fará na terra sem que, direta ou indiretamente, Deus seja o fim, o meio, a testemunha ou o juiz. Toda a civilização medieval será sagrada.

"Os testemunhos desta fé unânime são inúmeros: santos, heróis, etc. Mas há também o testemunho daqueles cuja conduta é um insulto ao Sangue de Cristo e que, no entanto, O confessam: como o caso do soldado violento, divorciado e casado pela segunda vez que, de espada em punho, se aproxima de um bispo e lhe grita: "Absolve-me ou eu te mato!" Mas, quando o bispo simplesmente lhe estende o pescoço e diz:"Fere!", o soldado tem estas palavras extraordinárias: "Não. Não te amo a ponto de mandar-te diretamente para o Paraíso!" Esse homem furioso, esse pecador, era afinal um homem de fé."

São Paulo, sábado, 8 de agosto de 2009

Catecismo Contra o Aborto - Porque devo defender a vida humana

Autor: Edson Oliveira   |   03:28   Seja o primeiro a comentar

Livro completo para todos os que querem defender o Sagrado Direito de Nascer!

Uma bomba na luta contra o aborto!

Analisa o problema sob o aspecto religioso, jurídico, moral e científico!

- Quando começa a vida humana?

- E se for um caso de estupro?

- O que dizer da anencefalia?

- Aborto não é um mero tema de saúde pública?

- Existe uma internacional do aborto?

Livro acessível, que todos os brasileiros podem adquirir, e todos os brasileiros devem ler!

Profundo, denso, mas de fácil leitura.

Adquira já o seu clicando aqui

Compre também para seus amigos!

São Paulo, sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Show de "Madonna" - Proteste contra blasfêmia na Polônia

Autor: Edson Oliveira   |   18:54   Seja o primeiro a comentar

Prezados,

A cantante americana “Madonna” fará um show no aeroporto de Varsóvia, no dia da festa da Assunção de Nossa Senhora, 15 de Agosto, e também festa de Nossa Senhora de Czestochowa, padroeira do país.

A revista escandalosa polonesa “Machina” publicou na sua capa um escárnio de Nossa Senhora de Czestochowa com o dizer: “Não há lugar para duas rainhas na Polônia”.

Se isso ocorrer num país tão católico, amanhã não poderá ser tentado no Brasil?

O Sr., a Sra., já imaginaram um show blasfemo de “Madonna”, por exemplo, no aeroporto internacional de São Paulo, Rio de Janeiro ou outra capital brasileira, para debicar de Nossa Senhora Aparecida, no dia de sua festa?

Católicos de todo o mundo estão se unindo aos católicos poloneses que, dentro do estrito respeito da lei, solicitam às autoridades polonesas que impeçam essa blasfêmia coletiva a Nossa Senhora.

É preciso nós, católicos brasileiros, fazermos sentir que na Terra de Santa Cruz nenhuma tentativa nessa linha será aceita.

No Brasil já começaram os protestos. Mande também seu protesto de católico e de brasileiro!

Visite o blog Luzes de esperança http://luzesdeesperanca.blogspot.com/ , lá encontrará os endereços e uma mensagem de protesto, que cada um poderá editar ou completar segundo ache melhor. Com um simples clique o Sr., a Sra, poderão poupar essa ofensa a Nossa Senhora que é nossa Mãe!

Para participar, clique no link abaixo:

http://luzesdeesperanca.blogspot.com/

São Paulo, domingo, 5 de julho de 2009

Casa de Santa Joana D`Arc

Autor: Edson Oliveira   |   14:15   Seja o primeiro a comentar

No dia 2 de julho, estive visitando o vilarejo de Domremy, na Lorena, França. Lá encontra-se a casa de Santa Joana, bem como a Igreja onde ela foi batizada e recebeu a primeira comunhão.

(Foto ao lado: casa de Santa Joana D`Arc. Essa fotografia foi tirada da wikipédia, pois a parte externa da residência encontra-se em reforma.)

Segue abaixo um vídeo que fiz da parte interior da casa.

Em Paris...

Autor: Edson Oliveira   |   10:29   Seja o primeiro a comentar

Ontem estive em Paris. Visitei metade de Notre Dame, Saint Chapelle, Conciergerie (antiga corte dos reis de França, local também onde ficou presa Maria Antonieta) e a Chapelle da rue du Bac. Segue uma foto que tirei do corpo incorrupto de Santa Catarina Laboure (clique na foto para vê-la em uma melhor resolução).

São Paulo, quarta-feira, 17 de junho de 2009

Paes de Lira contrário à participação de Minc na “marcha da maconha”

Autor: Edson Oliveira   |   16:05   1 comentário

Extraído do blog Pela Legítima Defesa

DEPUTADO PAES DE LIRA AFIRMA EM AUDIÊNCIA PÚBLICA QUE OS USUÁRIOS DE DROGAS ESTÃO COM AS MÃOS SUJAS DE SANGUE POR MORTES DE PM’s

Durante audiência da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado na Câmara dos Deputados, que contou com a presença do Ministro Carlos Minc, o Parlamentar fez uso da palavra para esclarecer que, ao contrário do que é divulgado equivocadamente, ainda é crime o ato de portar ou consumir entorpecente, mesmo em pequena quantidade.

Paes de Lira manifestou-se contrário a participação do Ministro na chamada “marcha da maconha” por ele ser uma figura pública e tal ato pode ser caracterizado como apologia, bem como da decisão do juiz, que autorizou a realização do evento, por ter violado a lei.

O parlamentar ainda afirmou que todos os usuários de drogas estão com as mãos manchadas de sangue pelas mortes de civis e policiais que indiretamente causam ao alimentar o tráfico de entorpecentes.

São Paulo, segunda-feira, 8 de junho de 2009

Nota de Dom Luiz de Orleans e Bragança sobre o desaparecimento de seu sobrinho

Autor: Edson Oliveira   |   23:34   1 comentário

Transcrevo a nota de S.A.I.R. Dom Luiz de Orleans e Bragança por ocasião da Missa celebrada na intenção de seu sobrinho, o Príncipe Dom Pedro Luiz, na igreja de Nossa Senhora do Brasil.

Príncipe Dom Pedro Luiz de Orleans e Bragança

Transido de pesar, cabe-me o dever de registrar, enquanto Chefe da Casa Imperial do Brasil, o desaparecimento de meu querido e já saudoso sobrinho, D. Pedro Luiz de Orleans e Bragança, no fatídico acidente do vôo da Air France (Rio-Paris), ocorrido no dia 31 de maio, em pleno Oceano.
Diante da pungente dor de seus pais, D. Antonio e D. Christine, de seus irmãos, D. Amélia, D. Rafael e D. Maria Gabriela, e de minha querida Mãe, D. Maria, volto para eles minha especial solicitude e meu particular afeto. Solicitude e afeto que volto igualmente – e, junto comigo, toda a Família Imperial - para aqueles que perderam seus entes queridos no referido acidente aéreo. A todas estas famílias - de modo muito especial às brasileiras – a Família Imperial estende seus sentimentos e roga a Deus pelo descanso eterno de cada vítima.

Nestes dias, de todo o Brasil e até do exterior, chegaram aos pais de D. Pedro Luiz, bem como a mim e a toda a Família Imperial, numerosas e sinceras manifestações de pesar por tão trágico sucesso. Não posso deixar de ver nessas sentidas manifestações a expressão viva e autêntica do sentimento familiar e dos laços de afeto que sempre uniram a Família Imperial e os brasileiros, monarquistas ou não.

D. Pedro Luiz – até então, 4º na linha de sucessão dinástica – era um jovem Príncipe que despontava na sua geração como uma promessa, suscitando o interesse e a atenção de muitos, por seu modo aprazível, por suas inegáveis qualidades e pela tradição que representava.
Como fruto da exímia formação e do senso do dever, incutidos por seus pais, após se ter formado em Administração de Empresas pelo IBMEC do Rio de Janeiro, e se pós-graduado pela FGV, dava ele os passos iniciais de uma promissora carreira profissional, no BNP Paribas, no Luxemburgo, tendo a preocupação e o empenho de fazer ver aos estrangeiros as grandes potencialidades de nosso País.

Mas sua presença era especialmente querida entre aqueles que acreditam ser o regime monárquico uma solução adequada para o Brasil hodierno.

Foi D. Pedro Luiz presidente de honra da Juventude Monárquica e participou de ações e eventos de relevo em prol dos ideais monárquicos - muitas vezes na companhia de seus pais - chegando até a representar a Casa Imperial, em mais de uma ocasião, sendo-me especialmente grato recordar sua presença, em Portugal, em comemorações dos 500 anos do Descobrimento do Brasil.

Se o momento é de apreensão e de tristeza, não pode ele ser desprovido de esperança. Esperança que se volta, de modo particular, para D. Rafael – irmão do desaparecido – a quem auguro ânimo e determinação diante do infortúnio, e exorto a que seja, na sua geração, um exemplo de verdadeiro Príncipe, voltado para o bem do Brasil e exemplo de virtudes cristãs.

Ao encerrar esta dolorosa comunicação, volto meu olhar a Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, a quem suplico confiante que acolha na eternidade a D. Pedro Luiz. E rogo especiais orações por ele, bem como por seus pais, irmãos e por minha querida Mãe, a todos aqueles que, com espírito de fé, acompanham a Família Imperial neste momento de luto.

São Paulo, 8 de junho de 2009

Dom Luiz de Orleans e Bragança
Chefe da Casa Imperial do Brasil

São Paulo, segunda-feira, 18 de maio de 2009

Yes, We Can... We can? But what can we?

Autor: Edson Oliveira   |   15:32   4 comentários

Agora entendo o que significa em concreto o famoso slogan publicitário da campanha de Obama: "Yes, We Can!". Sem esforço, vê-se que nessa expressão falta malandramente um complemento para indicar o que realmente we can. Pois quem can, can alguma coisa.

Então, We can o quê, Sr. Hussein Obama?

E para responder a pergunta acima, os acontecimentos desse final de semana, nos EUA, começam a indicar o que can o novo presidente.

O padre Norman Weslin, 78, foi preso na sexta-feira passada por entrar no campus da Universidade "Católica" de Notre Dame carregando uma cruz nas costas em protesto ao título Honoris Causa que Hussein Obama, o presidente mais pró-aborto da história dos Estados Unidos, receberia daquele centro acadêmico.

Além do padre foram presos Alan Keyes, ex-candidato à Presidência e outras 19 pessoas por tentar protestar dentro do campus universitário. Ao total compareceram 3.000 pessoas para mostrar ao Obama que No! We can't.

Vejam o vídeo abaixo:


São Paulo, terça-feira, 5 de maio de 2009

Melhor filme curta-metragem de direita

Autor: Edson Oliveira   |   19:32   Seja o primeiro a comentar


A direita americana é representada no campo político pelo Partido Republicano, enquanto que a esquerda é, por sua vez, pelo Democrata. Assim sendo, adoto neste texto os termos republicano e democrata para expressar uma e outra posição.

***

Esses dias, fiquei empolgado ao ver um filme curta-metragem com um teor muito republicano. Trata-se de Os Pingüins de Madagascar – Missão de Natal.

Nele, os pingüins (Capitão, Kowalski e Rico) têm que resgatar um outro, chamado simplesmente de recruta, que se embrenhou por Nova Iorque para comprar um presente de Natal e acabou por ser confundido com um. Uma velhinha, claramente uma caricatura de senhora idosa eleitora dos democratas, o levou como presente para sua cadelinha poodle, chamada “Mordida”. A guerra começa!

No filme, os pingüins demonstram ter espírito de heroísmo, gostam da hierarquia que há entre eles e a respeitam com naturalidade, não são nada pacifistas e nem um pouco politicamente corretos.

Já a velinha é rabugenta, não gosta do Natal e tem ódio por essa festa existir, dá atenção mais ao que se passa na TV do que naquilo que acontece ao seu redor, parece não ter tido filhos e, por isso, dispensa seu amor maternal – arhg! – a poodlouzinha.

Tenho a impressão de que a atitude dela com a TV é um símbolo de uma pessoa que mais dá valor ao que a mídia diz – Guerra do Iraque, Aquecimento Global, Pandemias, crise econômica, etc. – do que em argumentos reais, e ficam surpresos quando a realidade vem à tona (o apartamento dela que explodiu) e não era aquilo que a TV passava.

Um exemplo disso eu tive hoje. Ouvi na Band News, uma estação de rádio, um representante deles nos EUA comentando um acontecimento “absurdo”, “coisa de maluco” que “contraria o senso comum” - essas são expressões do repórter que fez um suspense enorme antes de ir ao assunto. O fato que “contrariava o senso comum” era sobre uma pesquisa científica que demonstra que o nosso planeta não está aquecendo, mas que esfriou 0,5°C. O tal aquecimento global é coisa que nos EUA só os democratas e a mídia defendem. Inclusive o jornalista da Band News disse claramente que esse argumento vai favorecer os conservadores.

Apenas para encerrar, digo que foi impossível para mim imaginar os pingüins votando em Obama, bem como a velinha votando em Bush.

Apenas não gostei do estilo Rock da música de natal que inicia o filme. Achei isso execrável.

Quem quiser, pegue um saco de pipoca e assista o filme:

A realidade da “crise” está cada vez mais sob dúvida

Autor: Edson Oliveira   |   15:40   Seja o primeiro a comentar

Matthew Cullinan Hoffman
correspondente na América Latina

GUADALAJARA, México, 30 de abril de 2009 (LifeSiteNews.com) — Será que a pandemia global de gripe de 2009 poderia ser um alarme falso? Cada vez mais as evidências mostram que a resposta é “sim”.

Debaixo das manchetes histéricas que sugerem uma ameaça crescente da chamada “gripe suína”, os dados procedentes da Cidade do México e fontes internacionais estão indicando que, na realidade, poderia-se atribuir a “epidemia” inteira a nada mais do que uma interpretação incorreta de estatísticas e casos médicos por parte do governo mexicano.

Nas últimas 24 horas, as autoridades sanitárias do México revisaram de forma dramática os números de mortalidade da doença.

Embora cite quase 170 mortes “suspeitas” possivelmente atribuíveis à nova variante da “gripe suína”, o governo nunca comprovou mais de 20 casos.

Agora, depois de um exame mais minucioso desses 20 casos, o governo revisou os números, confessando que há só 12 mortes comprovadamente ligadas ao vírus no México inteiro, de um total de apenas 260 casos verificados. Contudo, não se sabe quantos casos ocorreram que não foram registrados, de pessoas que nunca foram hospitalizadas.

Embora o número de mortes “suspeitas” possa parecer alarmante, é realmente muito pequeno em comparação com o número de mortes totais de gripe que ocorrem anualmente no México.

Aliás, o governo mexicano relata que há uma média de 20 mil mortes por pneumonia no México anualmente. A gripe normalmente mata suas vítimas provocando pneumonia.

As declarações alarmistas proclamadas histericamente pelos grandes meios de comunicação também contrastam fortemente com a total falta de mortes de não mexicanos devido ao vírus. Embora a doença tenha aparecido em vários países, só uma pessoa fora do México morreu dela — um menino mexicano que cruzou a fronteira para o Texas, EUA, com sua família para visitar parentes.

Agora, especialistas americanos estão começando a dizer publicamente que a doença identificada na imprensa como “gripe suína” não parece ser mais mortal do que os outros vírus de gripe.

De acordo com cientistas citados hoje pelo jornal Los Angeles Times, o número de mortos pelo vírus provavelmente não será pior do que a média do que ocorre durante os invernos.

“O vírus não tem nem de longe a capacidade de matar como o vírus de 1918”, disse ao LA Times o virologista de gripe Richard Webby, referindo-se a uma epidemia de gripe que matou 50 milhões de pessoas no mundo inteiro no fim da I Guerra Mundial.

“Há certas características, assinaturas moleculares, que faltam a esse vírus”, disse ao jornal o microbiólogo e especialista em gripe Peter Palese.

“De modo particular, a gripe suína tem falta de um aminoácido que parece aumentar o número de partículas virais nos pulmões e tornar a doença mais mortal”, acrescentou o LA Times.

O deputado federal americano Ron Paul, que é também médico, divulgou uma declaração em vídeo denunciando a histeria em torno da chamada “pandemia”.

Paul observa que um alarme falso em torno da “gripe suína” em 1976 resultou em 25 mortes nos EUA — provocadas não pelo vírus, mas pela apressada campanha de vacinação lançada pelo governo. O resultado mortal provocou o cancelamento da campanha.

Só Paul e outro deputado, também médico, votaram contra a campanha de vacinação, disse Paul.

“Aí vamos nós, mais uma vez. A gripe suína aparecendo e todo mundo entrando em pânico”, disse Paul.

“Os EUA não tinham tido nenhuma morte”, acrescentou ele. “Mas há sete ou oito casos em Nova Iorque. Nenhum foi hospitalizado. Entretanto, é praticamente como se todos nós tivéssemos sido atacados por armas nucleares. Quero dizer, as entrevistas coletivas à imprensa no final de semana, a preocupação principal do Ministério de Segurança Nacional… Espere aí, como é que o Ministério de Segurança Nacional entrou nesse negócio médico? Estão agindo como se a situação estivesse totalmente fora de controle”.

Qualquer que seja a razão exata para o elevado índice de mortes atribuídas à gripe no México, cada vez mais parece que a maioria das vítimas pode ter sofrido de variantes da gripe comum, não a exótica “gripe suína” que, em qualquer caso, parece não ser mais mortal do que as outras.

Contudo, os avisos do governo provocaram pânico em todo o México, principalmente na capital da nação e na cidade de San Luis Potosi, onde alguns casos foram detectados.

Restaurantes e outros negócios receberam ordens de fechar as portas, missas foram canceladas e as pessoas foram avisadas para ficar em casa e evitar aglomerações. A economia está sofrendo de forma significativa.

Embora as pessoas em toda a Cidade do México e outras cidades estejam usando máscaras para evitar infecção, ninguém as está usando no Ministério da Saúde do México, de acordo com o jornal El Pais. Eles reconhecem que as máscaras pouca proteção dão a quem as usa, e que o governo as distribuiu apenas para acalmar os temores do povo.

O pânico espalhou até para regiões que não foram afetadas pelo vírus. Apesar do fato de que nem um único caso de infecção do vírus foi comprovado no estado inteiro de Jalisco, uma percentagem considerável do povo está transitando com máscaras para se protegerem na capital de Guadalajara.

Links relacionados:

Scientists see this flu strain as relatively mild

Lessons From the Non-Pandemic of 1976

Ron Paul about the Swine Flu People die from the Vaccines not from The Flu

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com
Fonte: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/apr/09043015.html

São Paulo, domingo, 3 de maio de 2009

A gripe suína é uma farsa?

Autor: Edson Oliveira   |   20:34   12 comentários

Até agora fiquei em silêncio sobre a tal gripe que, segundo a imprensa deixa transparecer, é o ínicio do fim do mundo.

O que me mantinha no silêncio era por me recriminar pelo ceticismo com que lia as notícias e por achar que isso era sinal de insensibilidade minha para com as vítimas do vírus.

Mas a cada dia que passava meu ceticismo aumentava, e isso graças a imprensa que a cada novo título de artigo não deixava de colocar a palavra "suspeita" ou "suspeita-se" e outras do gênero.

Além do mais, os sintomas que o vírus causa em uma pessoa são os mesmos de uma gripe comum. Resultado, eu que peguei uma gripe não posso contar isso por telefone para minha mãe, pois ela desmaiaria. Que hora para pegar uma gripe, hein!

Outro motivo que me levou ao silêncio foi o sentimento de solidão. Parecia que ninguém suspeitava de nada e só eu, devido a uma crueldade cínica - que mesmo reportagens relatando dezenas de mortes não foram capazes de me comover -, suspeitava de uma possível farsa.

Lembro que, não tão distante no tempo, a imprensa falava numa tal gripe aviária. Qualquer papagaio que morria era motivo para grandes títulos nos maiores jornais do mundo. Hoje mal se fala dela. Mas, até então, a imprensa tocava suas trombetas anunciando o fim do mundo porque cinco galinhas morreram no sul da China.

O que me alegra é ver que já não estou sozinho.

Ugo Braga, jornalista do Correio Braziliense, postou no seu blog um texto em que demonstra sua certeza da farsa da gripe suína. (Confira: A gripe suína é uma farsa)

Mais me alegrou ainda foi ver que os comentários deixados no post indicam que seus leitores também o seguem em seu ponto de vista.

Ufa! Já não estou sozinho e me sinto encorajado a escrever sobre isso.

Não tenho provas, apenas desconfiança. E o meu intuito com este post é lançar aos leitores uma oportunidade para refletirem e debaterem sobre o tema. Caso contrário, poderemos estar diante de uma grande mentira que dará motivo para o Estado nos impedir de irmos aos aeroportos, terminais de ônibus, escolas, as missas (confira: México suspende missas por medo da gripe suína) e a todos os lugares onde possa haver aglomerações de pessoas.

Fica o debate lançado.

Apenas para não esquecermos, leiam:

A invasão dos marcianos: A Guerra dos Mundos que o rádio venceu

São Paulo, sexta-feira, 1 de maio de 2009

Ou seja, tudo "farinha do mesmo saco"

Autor: Edson Oliveira   |   12:00   Seja o primeiro a comentar

Em sua visita à Argentina, Lula da Silva disse ao jornal "La Nacion" que para o Brasil "será um privilégio" um pleito eleitoral cujos adversários sejam Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB), Ciro Gomes (PSB) ou mesmo Aécio Neves (PSDB).

E a razão disso é que Lula não vê "nada de direita nesses candidatos. Vejo colegas de esquerda, de centro-esquerda e progressistas. Isso é um avanço extraordinário para o Brasil" (La Nación, 19-4-2009).

Isso me lembra - e corrobora - a frase de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), ex-presidente do Brasil, em estrevista para o mesmo jornal durante a disputa eleitoral entre Lula e Alckmin: “O programa político em jogo é mais ou menos o mesmo. O que os brasileiros estão elegendo é um estilo de condução." (La Nación, 6-10-2006)

Ou seja, como se costuma dizer, tudo "farinha do mesmo saco". E ainda dizem que há democracia no Brasil.

São Paulo, quinta-feira, 30 de abril de 2009

Vídeo da caravana da TFP americana pró-casamento tradicional

Autor: Edson Oliveira   |   22:26   Seja o primeiro a comentar

O vídeo abaixo dá um resumo da caravana da TFP americana pró-casamento tradicional.

Impressiona a intolerância dos contrários, cuja bandeira no mundo inteiro tem sido a tal "tolerância".


São Paulo, sexta-feira, 24 de abril de 2009

A crise econômica mundial

Autor: Edson Oliveira   |   10:41   Seja o primeiro a comentar

Um homem vivia à beira de uma estrada e vendia cachorro quente.

Ele não tinha rádio, não tinha televisão e nem lia jornais, mas produzia e vendia o melhor cachorro quente da região.

Ele se preocupava com a divulgação do seu negócio e colocava cartazes pela estrada, oferecia o seu produto em voz alta e o povo comprava e gostava.

As vendas foram aumentando e, cada vez mais ele comprava o melhor pão e a melhor salsicha.

Foi necessário também adquirir um fogão maior para atender a grande quantidade de fregueses.

E o negócio prosperava e prosperava . . .

Seu cachorro quente era o melhor!

Vencedor, ele conseguiu pagar uma boa escola ao filho.

O menino cresceu, e foi estudar Economia numa das melhores Faculdades do país.

Finalmente, o filho já formado, voltou para casa, notou que o pai continuava com a vida de sempre, vendendo, agradando e prosperando e teve uma séria conversa com o pai :

- Pai, então você não ouve radio? Você não vê televisão? Não acessa a Internet e não lê os jornais? Há uma grande crise no mundo. A situação do nosso País é crítica. Está tudo ruim. O Brasil vai quebrar.

Depois de ouvir as considerações do filho Doutor, o pai pensou: Bem, se meu filho que estudou Economia na melhor Faculdade, lê jornais, vê televisão e internet, e acha isto, então só pode estar com a razão!

Com medo da crise, o pai procurou um Fornecedor de pão mais barato ( e é claro, pior ).

Começou a comprar salsichas mais barata ( que era, também, a pior ).

Para economizar, parou de fazer cartazes de propaganda na estrada.

Abatido pela noticia da crise já não oferecia o seu produto em voz alta.

Tomadas essas 'providências', as vendas começaram a cair e foram caindo, caindo e chegaram a níveis insuportáveis e o negócio de cachorro quente do velho, que antes gerava recursos até para fazer o filho estudar Economia na melhor Faculdade... quebrou.

O pai, triste, então falou para o filho: - 'Você estava certo, meu filho, nós estamos no meio de uma grande crise. 'e comentou com os amigos, orgulhoso:

- 'Bendita a hora em que eu fiz meu filho estudar economia, ele me avisou da crise ...'

Aprendemos uma grande lição :

Vivemos em um mundo contaminado de más noticias e se não tomarmos o devido cuidado, essas más noticias nos influenciarão a ponto de roubar a prosperidade de nossas vidas.

O texto original foi publicado em 24 de fevereiro de 1958 em um anúncio da Quaker State Metais Co. Em novembro de 1990 foi divulgado pela agência ELLCE, de São Paulo.

São Paulo, domingo, 5 de abril de 2009

A imaginação no poder

Autor: Edson Oliveira   |   19:54   2 comentários

Incrível como um dos lemas da revolução de maio de 68, ocorrida em Paris, penetrou profundamente na mentalidade moderna: “A Imaginação no Poder”.

Exemplo disso é o comentário de um leitor foribundo com a doutrina da Igreja contrária às pesquisas com células-tronco embrionárias feito no Blog da Lepanto. Faço algumas breves considerações e indagações a tal comentário que trancreverei entre aspas.

Espero que tal leitor se digne a lê-las e, caso queira, respondê-las. Deixei no Blog Lepanto as mesmas considerações e um chamado para continuar o debate nesse meu espaço.

“Olha só... a igreja católica está defendendo a vida! Justo ela que mandou para fogueira várias vidas porque ousaram falar que o sol era o centro do universo...”

Pode citar o nome de um desses vários? Vai, invente um, sua imaginação é fértil.

“... ela também que apoiou os governos nazifascistas há pouco tempo atrás...”

É curioso como algumas mentiras, ditas à guisa de repetição, acabam por ganhar foro de cidadania e se tornam verdadeiros dogmas na cabeça modelada por maio de 68. Viva a imaginação.

“... e também não se pode esquecer dos leprosos e alejados que eram considerados demoníacos e muitas vezes também eram abandonados para morrer.”

Responda uma pergunta, você sabe quem criou os hospitais e os leprosários? Ah, esqueci, exigir uma prova racional de uma mente acostumada a deixar-se levar pela imaginação para provar seus desejos internos é pedir demais.

“A igreja católica usa a ideia de deus apenas para manter uma estrutura elitista e extremamente preconceituosa!”

Defender a vida é um preconceito extremo?

“O bom é que isso está caminhando para o fim, com as pessoas percebendo o quanto elas são enganadas(aliás, ninguém acredita em adão e eva, é até engraçado. A igreja sempre tentou desviar-se das contradições mas essa é difícil, né?!)”

Se as pessoas estão deixando a Igreja pelos mesmos motivos supra-descritos pelo seu nível intelectual – ou “imaginal” -, acho que quem está procurando enganar não é a Igreja.

"Nâo venham falar de vida se vocês foram os maiores assassinos da história.”

Qual sua opinião a respeito do assunto publicado no blog? Você é contra ou a favor? Se você for contra as pesquisas com as células-tronco embrionárias, até dá para entender que uma pessoa iludida por mentiras espalhadas pela mídia procure defensores ilibados da vida. Mas se você for a favor da eliminação de vidas para pesquisas científicas (atitude claramente nazista), então seu comentário é apenas uma tentativa de fugir do tema denegrindo um dos debatedores.

“obs:até no blog a igreja católica faz censuras kkk, o leitor tem q ser bem manipulado neh?”

Estou começando a ter pena. Procure um médico.

São Paulo, quinta-feira, 19 de março de 2009

Em relatório sobre a demarcação de territórios indígenas em Roraima, ministro do STF cita Plinio Corrêa de Oliveira

Autor: Edson Oliveira   |   15:22   Seja o primeiro a comentar

Ontem, o ministro do STF Marco Aurélio defendeu, em seu relatório, que o processo de demarcação de Raposa Serra do Sol deve ser anulado.

O ministro cita inúmeros argumentos para defender seu juízo e, ao mencionar sobre o pano de fundo do conflito em questão que preocupava o deputado, embora comunista, Aldo Rebelo, coloca, em nota no rodapé, referência ao livro "Tribalismo Indígena – Ideal Comuno Missionário para o Brasil no Século XXI”, de Plinio Corrêa de Oliveira.

Palavras proféticas

Na página 47, escreve Marco Aurélio:
Também vale registrar que, em 1987, o professor Plínio Correia de Oliveira, autor de “Tribalismo Indígena”, diante dos trabalhos de elaboração da Carta de 1988, advertiu:

"O projeto de constituição, a adotar-se em uma concepção tão hipertrofiada dos direitos dos índios, abre caminho a que se venha a reconhecer aos vários agrupamentos indígenas uma como que soberania diminutae rations. Uma autodeterminação, segundo a expressão consagrada. (Projeto de constituição angustia o país, editora Vera Cruz, São Paulo, 1987, página 182 e página 119 da obra citada)."

Proféticas palavras tendo em conta, até mesmo, o fato de o Brasil, em setembro de 2007, haver concorrido, no âmbito da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas, para a aprovação da Declaração Universal dos Direitos dos Indígenas.
***

Para ler o relatório na integra, clique aqui.

Para ler o livro "Tribalismo Indígena – Ideal Comuno Missionário para o Brasil no Século XXI", clique aqui.

Para obter a edição mais recente do livro (2008) onde os jornalistas Nelson Ramos Barreto e Paulo Henrique Chaves contam o que viram na Raposa-Serra do Sol, o que pesquisaram em Mato Grosso e em Santa Catarina e transcrevem importantes entrevistas com várias personalidades que confirmam em tudo as teses do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, clique aqui.

São Paulo, terça-feira, 17 de março de 2009

Testemunho sobre D. Helder

Autor: Edson Oliveira   |   21:19   3 comentários

Transcrevo para este blog uma carta importante publicada na revista Catolicismo, edição de Março/2009. Os negritos são meus.

***

Neste centenário do nascimento de D. Helder Câmara, julgo oportuno citar um fato de que fui testemunha quando muito jovem, o qual me parece apresentar um aspecto não conhecido do arcebispo vermelho.

Nos anos 1968/69, sendo eu estudante de Direito na Pontifícia Universidade Católica do Chile, em Santiago, acompanhei uma visita que D. Helder realizou à capital chilena por vários dias, pois desejava fazer uma reportagem sobre ela. Entre as atividades da visita constava um encontro, mantido em segredo, com a “Iglesia Joven”, movimento extremista da Teologia da Libertação, que poucos meses antes havia se apossado da catedral de Santiago.

Consegui infiltrar-me na reunião, com um gravador portátil — que na época era pouco discreto —, para gravar as palavras de D. Helder. Lamentavelmente, fui reconhecido por um colega da universidade, filho do embaixador do Chile no Vaticano. Quiseram tirar-me o aparelho, mas consegui escapar e subi no palanque, sentando-me num lugar onde uma agressão ficasse patente até para D. Helder.

No transcurso de sua palestra, quando respondia perguntas, uma delas versava sobre a liceidade do uso da violência na luta empreendida pela esquerda. Lembro-me perfeitamente da resposta de D. Helder. Parece-me ainda ouvi-la, tanto ela impressionou-me: “Eu não me vejo enfiando a faca nas costas de um empresário, mas à violência institucionalizada é legítimo responder com a violência revolucionária”.

Creio não ser possível um incitamento mais eloqüente à violência. Muitos dos assistentes que ouviram essas palavras constituíram mais tarde as milícias terroristas do MIR (Movimento de Esquerda Revolucionária) e outras congêneres, que revolucionaram meu país.

Não queria que transcorresse o centenário de tal personagem sem tornar pública esta sua declaração. Certamente terá anestesiado as consciências desses jovens ardorosos de violência, para que a levassem a cabo.

Saí da conferência junto com D. Helder e desapareci na escuridão. Recebi depois, na universidade, a ameaça do filho do embaixador acima citado: caso eu publicasse o que havia visto e ouvido, iria sofrer as conseqüências.

D. Helder foi quatro vezes candidato ao Prêmio Nobel da Paz, mas meu testemunho revela como tal pretensão se chocava com a realidade...

(F.A.A. — Santiago, Chile)

São Paulo, quarta-feira, 4 de março de 2009

Baby Power - Banner contra o aborto

Autor: Edson Oliveira   |   14:36   6 comentários

Fiz um banner contra o aborto. Reconheço que há muito o que melhorar. Aguardo sugestões.

Quem quiser usá-lo , desde já autorizo.

São Paulo, quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Ator que fez Che Guevara é "fuzilado" por entrevistadora

Autor: Edson Oliveira   |   21:53   4 comentários

O ator Benicio del Toro, que representou o papel de Che Guevara no filme intitulado com nome desse assassino sanguinário, foi "fuzilado" na entrevista concedida à Marlen Gonzalez do canal Noticias 41.

Cada pergunta da entrevistadora era como um tiro certo que deixava sem resposta o ator esquerdista.

Se fosse no Brasil e trabalhasse na Globo ou na Record, na primeira queixa do PT - que haveria certamente - ela seria imediatamente despedida, como ocorreu com o Boris Casoy.

Vale a pena ver o vídeo, é um verdadeiro massacre.

Observação: O vídeo abaixo, por haver cenas chocantes, não é recomendado para esquerdistas.

São Paulo, domingo, 1 de fevereiro de 2009

Símbolo dos Chouans em manifestação contra o aborto

Autor: Edson Oliveira   |   16:24   Seja o primeiro a comentar

No mês passado, cerca de 20.000 franceses foram as ruas para protestar contra o aborto. Para saber mais sobre o evento, clique aqui.

Nas fotos ao lado, vê-se o uso de bandeiras da França com o símbolo dos Chouans (O Sagrado Coração com a cruz em cima), que foram a resistência católica contra a Revolução Francesa no século XVIII e XIX. A mesma Revolução que pleiteou a liberdade total, utilizada hoje pelos abortistas como argumento para legalizar o aborto: "Free Choice".

Os Chouans foram massacrados pelo ódio anti-católico das tropas revolucionárias e as últimas resistências foram esmagadas por Napoleão, que era tido como um jacobino por Cadoudal, General chouan. Detalhe: a enorme maioria dos chouans eram simples camponeses.

Estranho como nossos professores de História não perdem oportunidade para inventar fatos - ou exagerar outros - sobre a inquisição católica e ao mesmo tempo parecem nem se importar com o que ocorreu com os Chouans.

Vejam uma frase que nossos professores - refiro-me aos que se deixam levar pela onda anti-cristã da análise Histórica - adorariam ver na boca de um inquisidor:

« On emploiera tous les moyens de découvrir les rebelles : tous seront passés au fil de la baïonnette ; les villages, métairies, bois, landes, genêts et généralement tout ce qui peut être brûlé, sera livré aux flammes. » (Tradução livre: “Empregar-se-á todos os meios para descobrir os rebeldes: todos serão passado ao fio da baioneta; as aldeias, as propriedades, as madeiras, as vassouras e geralmente tudo aquilo que pode ser queimado será entregues às chamas. ”)

Acontece que essas palavras foram pronunciadas por Turreau, General do Oeste do exército revolucionário, responsável para combater aos Chouans.

Mesmo tendo quase desaparecidos, os Chouans ainda existem na consciência de muitos franceses. E, como disse churchill, "a França está dividida por um mar de sangue".

São Paulo, sábado, 24 de janeiro de 2009

Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloria

Autor: Edson Oliveira   |   00:12   2 comentários

Transcrevo os comentários de José Carlos Solimeo - que muito me honra como leitor deste blog - sobre o filme Henry V.

Segue um vídeo (vide abaixo), parte do filme HENRY V, de Keneth Branagh, baseado em peça de William Shakespeare, quando, ao final da batalha de Azincourt, ele ordena que ninguém se vanglorie daquela vitória, que foi uma vitória de Deus e ordena que se cante o TE DEUM e NON NOBIS DOMINE. O filme todo é espetacular, com uma atuação magistral do ator principal, que também produziu e dirigiu tal filme (com apenas 25 anos de idade). Infelizmente, depois ele só fez porcaria...

Sobre a genialidade do Diretor, note que, embora a cena dure quase cinco minutos de movimentação constante, pois, os ingleses estão se retirando do campo de batalha, carregando seus mortos, não há cortes; a cena toda foi feita de uma só tomada, portanto, sem cortes.

Neste episódio do NON NOBIS, o emissário francês se vem pela enézima vez parlamentar com o rei da Inglaterra, desta vez depois da batalha, quando - segundo o roteiro - o Rei toma conhecimento de que franceses haviam matado os pagens ingleses, o que, além de uma barbárie, pois, são meninos, era expressamente contra as leis da guerra. O Rei, por causa disso está furioso, e parte para cima do emissário francês, sem saber qual a sua missão, perguntando-lhe o que ele quer dessa vez (isso, depois de jogá-lo ao chão). O emissário diz ao Rei que ele veio lhe pedir a permissão para recolher os mortos franceses, que são muitos, príncipes e nobres misturados não só ao homem comum, mas, também aos mercenários. O Rei lhe diz que, para falar a verdade, ele não sabe se essa permissão lhe é atribuição, uma vez que não sabe quem venceu a batalha ("não sei se o dia foi nosso"), ao que o emissário lhe responde "o dia é seu". O Rei, então, pasmo e agradecido, decreta pena de morte a quem do seu exército se gabar dessa vitória, uma vez que, sem dúvida a vitória lhes veio de Deus. Ele diz que todos devem reconhecer que nesse dia "Deus lutou por nós". Decreta, mais, que se iniciem os Santos Ritos dos Mortos e que todos marchem em direção a uma vila próxima, cantando o TE DEUM e o NON NOBIS. De acordo com uma matéria que encontrei, o NON NOBIS é baseado no Salmo 115, que diz, numa tradução livre "Não a nós, Senhor, não a nós, mas, ao seu Nome, devemos dar glórias" (Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloria). De acordo com a mencionada matéria, este salmo celebra a derrota dos exércitos egípcios e a libertação de Israel por Deus, na passagem do Mar Vermelho.

São Paulo, quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Terrorismo de blasfêmias

Autor: Edson Oliveira   |   12:04   1 comentário

A Revolução Cultural segue, através de seus fundamentalistas, jogando seus aviões de blasfêmias contra os edifícios das convicções católicas.

Desta vez foi no Chile, onde ocorreu o evento denominado “Vírgenes Fashion Show”. Trata-se de uma profanação em que mulheres seminuas, representando Nossa Senhora, desfilaram em uma passarela de "modas".

Cabe lembrar a condenação que Nossa Senhora em Fátima fez, em 1917, às modas imorais. Agora, estas modas muito mais imorais que as daquela época - e que foram ganhando cada vez mais espaço no decorrer do tempo nos lares católicos - são utilizadas contra a própria Nossa Senhora.

É lamentável constatar a inércia de muitos católicos perante estes atos de terrorismo à Fé católica. Mais ainda, o quanto dói dizer da "reação" dialogante do episcopado chileno, mais preocupado em debater a "livre expressão" no estado de direito do que conclamar os católicos para, por exemplo, vigílias diante do Santíssimo Sacramento como forma de reparação dessa grave ofensa: “Nuestra palabra no es una palabra de condenación ni de censura: es una posibilidad que tenemos de expresar nuestro gran amor a la Virgen María y pedir que podamos debatir acerca de lo que es efectivamente la libre expresión dentro de un estado de derecho“, assim declarou o comunicado do Comitê Permanente do Espiscopado chileno lido pelo bispo auxiliar de Santiago, Mons. Contreras. (Os negritos são nossos).

Tais atentados são justificados pelo alcorão de seus fundamentalistas como simples manifestações artísticas ou como legítima "diversidade" cultural. Tais bombas semânticas, espalhadas em geral pela mídia, servem para desconcertar os "infiéis" da "Revolução Cultural" que gostariam de defender da profanação seus princípios mais sagrados.

Reagindo a esses atentados, a associação chilena Acción Familia está desenvolvendo uma Cruzada do Santo Rosário em desagravo à Santíssima Virgem.


Clique aqui para ler as intenções sugeridas para serem colocadas na recitação do Rosário.

São Paulo, domingo, 18 de janeiro de 2009

As bênçãos do toque do sino

Autor: Edson Oliveira   |   19:10   1 comentário

(Extraído do blog Cinzas que choram)

O sino é quase tão antigo quanto à civilização.

Porém, como nós o conhecemos é um instrumento típico das igrejas católicas e dos prédios públicos da Cristandade.

Ele fica um instrumento religioso quando a Igreja Católica lhe confere suas bençãos e lhe comunica seu poder exorcístico numa cerimônia especial,

Os primeiros sinos eclesiásticos importantes apareceram nos mosteiros nos séculos IV e V, isto é, na ante-véspera e no iniciozinho da Idade Média.

Clique para ouvir os sinos da Catedral de Viena:

Download

Eles se generalizaram nas igrejas católicas já no século VII. Na dianteira saiu a região da Campania, na Itália, cuja capital é Nápoles. Do nome de Campânia vem a palavra "campana", com que também se designa o sino.

Mas, só a partir do auge da Idade Média, quer dizer, no século XIII que os progressos na fundição dos metais permitiram aparecer os grandes sinos instalados nas catedrais e grandes igrejas.

Pouco ou mal se fala sobre este fruto abençoado da Igreja Católica que assumiu sua forma atual na Idade Média.

Alias, o quanto seus efeitos benéficos se fariam mais intensamente se hoje se eles fossem tocados como a Igreja quer!

Quantos sabem quais são os efeitos espirituais santificantes do sino das igrejas?

Eis, uma substanciosa explicação das bençãos do toque do sino feita por um digno representante do clero francês, Mons. Jean-Joseph Gaume (1802-1879), célebre pela sua ciência teológica:

Como todas as grandes e belas coisas, é à Igreja que devemos o sino.

O sino nasceu católico, por isso a Igreja o ama como a mãe ama o seu filho. Ela benze o metal de que é feito.

Logo que ele veio ao mundo, a Igreja o batizou e fez dele um ente sagrado.

Com razão, porque o sino é destinado a cantar tudo o que há de santo e de santificante na terra e no céu.

Clique aqui para ouvir os sinos da Catedral de Notre Dame de Paris:

Download

Pelas orações e cerimônias que o acompanham, o batismo vai dizer-lhe a sua vocação.

A Igreja sempre teve em muito respeito o sino, o que se mostra com novo esplendor nas preces e nas cerimônias do seu batismo.

Reunidos os fiéis em roda do sino, suspenso a alguns metros acima do solo, o bispo em hábitos pontificais chega majestosamente, acompanhado do clero e seguido do padrinho e da madrinha do sino.

Em nome de Deus, de quem é ministro, o bispo chama sobre essa maravilhosa criatura a virtude do Espírito Santo, que a torna fecunda no primeiro dia da criação.

Certo de ser atendido, o bispo asperge o sino, ao qual confere o poder e o dever de afastar de todos os lugares, onde seu som repercutir, as potências inimigas do homem e de seus bens: os demônios, as trombas, o raio, o granizo, os animais maléficos, as tempestades e todos os espíritos de destruição.

Vejamos sua missão positiva.

A sua voz proclamará os grandes mistérios do Cristianismo, aumentará a devoção dos cristãos, para cantar novos cânticos na assembléia dos santos, e convidará os anjos a tomar parte nos seus concertos.

O sino fará tudo isto, porque esta missão lhe é confiada em nome d'Aquele que possui todo o poder no céu e na terra.

Clique para ouvir os sinos da abadia de Ettal, Alemanha:

Download

Cada badalada faz retinir ao longe os dois mistérios de morte e de vida - alpha e ômega - mistérios necessários para orientar a vida do homem, consolar as suas esperanças.

Não admira, pois, que o bispo, dirigindo¬-se ao próprio sino, o dedique a um santo ou a uma santa no paraíso, e lhe diga, com uma espécie de respeitosa ternura: “Em honra de São N., a paz doravante seja contigo, caro sino”.

Como o sino deve ter um nome, é preciso também que ele tenha um padrinho e uma madrinha.

O nome é gravado no sino, abaixo da cruz em relevo, que o marca com o selo de Nosso Senhor e o consagra ao seu alto culto.

Daí vem um fato pouco notado: o amor dos verdadeiros filhos da Igreja ao sino, e o ódio que lhe têm os inimigos de Deus.

Uma das mais doces alegrias de nossos pais, ao saírem da Revolução Francesa, foi ouvir os sinos, que haviam emudecido durante muitos anos.

Este incontestável poder do sino contra os demônios do ar justifica a virtude que ele goza, de dissipar os ventos e as nuvens, de afugentar diante de si o granizo e o raio, de conjurar as tempestades e os elementos desencadeados, pois que todas essas perniciosas influências da atmosfera provêm muito menos de coisas naturais do que da maldade desses gênios maléficos.

Clique para ouvir os sinos da igreja de Santa Maria Madalena, em Breslau, Alemanha :

Download

Nossos pais, na hora do perigo, faziam ouvir ao Pai Celeste, ao som dos sinos, seu primeiro grito de alarme. O Senhor não permanecia muito tempo insensível à voz do seu povo.

A corda que serve para tocar o sino, essa corda que sobe e desce sem cessar, indica o trabalho do pregador, e é também imagem da nossa vida.

(Fonte: Mons. Jean-Joseph Gaume, “L’Angelus au dix-neuvième siècle”, Editions Saint-Remi, 2005)