Frase

"A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus." (de Bonald).
São Paulo, quarta-feira, 28 de abril de 2010

Xadrez: Jogador búlgaro perde partida por se negar a cumprimentar adversário

Autor: Edson Oliveira   |   20:18   3 comentários

Nigel Short enfrentou Kasparov pelo título mundial de xadrez em 1993. Ás seis horas, em ponto, o GM inglês se levantava para pegar uma tradicional xícara de chá.

O fato é antigo, mas vale a pena registrar.

Em 2008 ocorreu uma cena imprevista em uma competição de elite do xadrez mundial. No famoso torneio de Corus, Holanda, o Grande Mestre (GM) inglês Nigel Short estendeu sua mão para cumprimentar seu oponente, o número dois da Bulgária, GM Ivan Cheparinov, mas supreendemente este ignorou conscientemente a tradicional cortesia tão comum nesse esporte. A cena se repetiu novamente segundos depois quando acionado o relógio para inicio da partida.

Cheparinov disse que o motivo que o levou a se recusar a cumprimentar foi por causa de uma entrevista em que Short criticou a equipe de xadrez da Bulgária.

Para quem não conhece as leis enxadrísticas, atualmente a FIDE (Federação Internacional de Xadrez) pune com derrota tal falta de cortesia. Equivalente a um cartão vermelho. E foi o que exigiu o GM inglês. No vídeo abaixo podem ver ele levantando o braço para chamar o árbitro que nessa ocasião aplicou a pena.

Cheparinov posteriormente apelou da decisão, pois na época a lei não tinha ainda entrado em vigor. Jogou-se, então, um nova partida na qual Short venceu após seis horas de confronto.

Talvez para uma pessoa não habituada com o xadrez profissional, a pena possa ser vista como um exagero. Mas assim não pensam os atletas que dedicam grande parte de sua vida sob um tabuleiro de 64 casas e 32 peças.

Por exemplo, essa falta da mais simples ética exadrística provocou protestos de jogadores brasileiros. O legendário GM Mequinho (terceiro melhor do mundo na década de 70) disse que era inaceitável a atitude de Cheparinov e reclamou do abrandamento da pena. Na mesma linha de Mequinho, o jovem GM catarinense de nascimento mas curitibano de coração (espero! pois mora na capital paranaense) Alexandr Fier afirmou que o búlgaro merecia mesmo a derrota.

Portanto, novatos, xadrez não é jogo de damas, é esporte olímpico. E a cordialidade é uma regra do jogo.

3 comentários:

Saudações
Faz muito tempo que não jogo xadrez, por falta de adversário fico sem jogar e no computador não tem graça!
Malditos revolucionários, só querem saber dos prazeres mais baixos, forçando o xadrez ao esquecimento no nosso país!