Frase

"A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus." (de Bonald).
São Paulo, segunda-feira, 2 de maio de 2011

Por que 2 bilhões de pessoas assistiram ao casamento do Príncipe William?

Autor: Edson Oliveira   |   19:55   5 comentários


O fato de as mídias divulgarem escândalos cometidos por membros das famílias reais comprova que, conscientemente ou não, para a opinião pública a nobreza deve ser integra em sua apresentação e em suas ações e ser exemplo para as demais famílias do país.

Uma família real é, antes de tudo e simplesmente, uma família. Mas não qualquer família, é a família por excelência da Nação. Aquela que tem por vocação ser modelo e arquétipo do trato familiar em seu país. Os povos tendem a querer que, o que há de bom e saudável em seus lares, exista de maneira ainda mais excelente naquela residência que os representa: a casa real.


Uma nação é um conjunto de famílias, e, por isso, o modelo monárquico naturalmente o de todos os povos, desde que se tem notícia na História da Humanidade, até a Revolução Francesa de 1789. Antes disso houve algumas repúblicas, é certo, como entre os gregos da Antiguidade e, na Idade Média, as repúblicas aristocráticas, como as de Veneza e Gênova. Mas todas elas tinham por base a desigualdade de classes sociais. Entre os gregos antigos, essa desigualdade admitia até a escravidão. Na Idade Média, sob o maternal bafejo da Igreja Católica, o relacionamento entre as classes era de harmonia e cooperação. Seja como for, o fato é que a regra absolutamente generalizada era a monarquia.

A recente proliferação de repúblicas – estamos falando de séculos, portanto, é recente - foi algo imposto por minorias ideológicas fanatizadas pelo princípio da igualdade social, elevado à categoria de dogma absoluto. Surgiram então as repúblicas revolucionárias, nascidas das convulsões do final do século XVIII, sob o impulso das seitas iluministas na França, carbonárias na Itália e outras do gênero.

No Brasil, o golpe militar de Deodoro, que destituiu D. Pedro II e exilou a família imperial, não se deveu à aclamação do povo. O próprio Aristides Lobo, considerado um dos “pais” da República brasileira, confessou em suas memórias que “o povo assistiu bestificado a proclamação da República”.

Em uma república moderna revolucionária, o líder máximo é muitas vezes um simples qualquer – como eu, às vezes pior, acredite – que nada tem de representativo das das qualidades de um povo. Ele exerce legitimamente a Suprema Magistratura do país, mas não é representativo de suas qualidades, de seus sonhos, em suma de sua alma. É um simples gerente.

E é justamente essa ausência sistemática de representatividade familiar em numerosos governos do mundo moderno, um dos elementos - acredito eu - que fez com que 2.000.000.000 de pessoas voltassem ansiosas e comprazidas suas atenções para o casamento do herdeiro do trono da Inglaterra, país que ainda conserva algo dessa autenticidade monárquica, ao menos simbolicamente, independente de escândalos e decepções que membros da família real possam dar e que a mídia esquerdista habilmente explora.






5 comentários:

Sua análise está correta.Intuitivamente os povos sabem que a Monarquia é a verdade ao passo que a República - de inspiração maçônica-especulativa e financiada por banqueiros em benefício de uma falsa elite que não faz parte e não provem de nenhum destes povos - é a mentira.
Mesmo com todo o esforço revolucionário republicano na Grã-Bretanha para derrubar a Monarquia,vemos que o povo inglês mantém-se fiel à verdade e à tradição.
Chegaram até ao absurdo de acusar o príncipe William de ser o antecristo,devassar a intimidade de membros da família real,tudo para destruir a Monarquia.
Mas a mentira tem perna curta,um dia a verdade prevalecerá.São 2.000.000.000 de pessoas que provam como a Monarquia tem prestígio.
Que o nobre casal seja muito feliz e muito abençoado por Deus!

Parabéns, Edson, pela matéria.

O casamento foi uma maravilha, sobretudo porque o povo britânico mostrou o quanto ama sua monarquia.

Ivan Lima

Nestas horas lembro da leitura de "A Volta ao Mundo da Nobreza"; exemplos tão bonitos de como a Nobreza e o povo eram harmonizados e felizes.
Rezo pelo dia da restauração.

"Caminhe contra a natureza e ela voltara a galope !"

As Republicas seguem irremediavelmente para suas falencias, tanto moral, cultural e civica.

É uma questão de tempo ! E tb. de Fé daqueles que representam o baluarte para uma Nova Civilização. É preciso ter confiança e acreditar em uma Restauração da Civilização Cristã.

É preciso SONHAR na Restauração Monarquica, neste PESADELO do Mundo Republicano !

O mundo tem sede de ESPLENDOR, de SACRALIDADE, da ORDEM do MARAVILHOSO que representam as Monarquias inspiradas pelo espirito da Civilização Cristã.

A Aurora da Monarquia, fiel a Lei de Deus e devota de Sua Mãe Santissima já se faz cintilar nos céus da Cristandade perseguida.

adorei a matéria! fiquei realmente emocionado, e muito confiante e feliz por saber que ainda existem pessoas que discordam da tolice do sistema republicano, e que assim como eu esperam pelo retorno da monarquia que ao meu ver é a primeira esperança de restaurar um pouco dos costumes e valores morais a muito perdidos pelas sociedades.
DEUS SALVE A RAINHA!!!!