Frase

"A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus." (de Bonald).
São Paulo, sábado, 11 de maio de 2013

Príncipe Imperial do Brasil saúda as Mães

Autor: Edson Oliveira   |   20:12   4 comentários

Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança, diretor do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, saúda a todas as mães do Brasil e a Nossa Senhora, Mãe de todas as mães.

4 comentários:

Ao ler a manchete pensei que estava em 1820...aliviado, me recompus e certifiquei de que estava em 2013, quase duzentos anos depois. O "Príncipe Imperial do Brasil" deve ser algum personagem de um pesadelo...

Em nome de todas as mães brasileiras, agradeço ao Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, na pessoa do Príncipe Imperial Dom Bertrand de Orleans e Bragança a homenagem e a oração feitas pelas mães. Nossa Senhora de Fátima nos ajude sempre.

Ao anônimo das 06:38
Se você realmente estivesse em 1820 uma manchete sobre o "Príncipe Imperial do Brasil" não poderia existir a não ser que se tratasse de uma profecia pois neste ano o Brasil ainda não era independente e, portanto, não havia Príncipe Imperial algum e nem ao menos Imperador.
Apesar do seu erro não irei debochar de ti, ao invés disso vou lhe informar de algo que talvez não tenha aprendido na escola dada a péssima qualidade do nosso sistema de ensino.
A independência do Brasil foi proclamada no dia 7 de setembro de 1822 pelo até então Príncipe Regente do Brasil D.Pedro de Alcântara e após este evento, no dia 12 de Outubro do mesmo ano o Príncipe foi aclamado Imperador do Brasil com o título de D.Pedro I, sendo coroado no primeiro dia de dezembro.
O título de Príncipe Imperial do Brasil, aquele que lhe faz ter pesadelos foi regulamentado pela Constituição Imperial de 1824.
A primeira pessoa que ostentou o título foi a princesa D.Maria da Glória e Bragança entre 1822 e 1825 perdendo-o para após o nascimento de seu irmão e futuro Imperador D.Pedro II.
Acredito que tenha esclarecido o que era necessário.
Leonardo Barbosa

Quando a família real portuguesa retornou à corte em 1820 deixou no governo o seu Príncipe Regente, com uma espécie de "principado" que se oficializou com a farsa de 1822. A nossa independência política começo de fato com a República. O apelido que o senhor usa para esses cargos, pouco importa.