Frase

"A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus." (de Bonald).
São Paulo, sábado, 14 de junho de 2008

CSS, a ressurreição do conde CPMF

Autor: Edson Oliveira   |   12:48   1 comentário

Em breve, você verá o filme (pois o governo vai lhe obrigar a ver): "CSS, a ressurreição do conde CPMF".

Não perca! No bolso mais próximo de você.

(Fonte da charge: jornal O povo)

1 comentários:

É muita falta de vergonha na cara!
Uma grande desculpa pra arranjar dinheiro fácil, como sempre. Os propósitos são os melhores, mas as reais intenções, as piores.
O problema sempre foi de administração dos recursos, aliás péssima. É na saúde, na previdência, nas estradas, nos transportes, na habitação, na educação, na segurança, etc, etc, etc. O dinheiro se esvai, os problemas permanecem e só fazem crescer, assim como as contribuições criadas. Os exemplos são muitos.
Na Saúde, a antiga CPMF, arrecadou bilhões e nunca esteve tão mal. Na Previdência, o governo não para de inventar fórmulas mágicas para pagar cada vez menos aos aposentados e pensionistas e arrecadar cada vez mais dos contribuintes. Nos Tranportes, estradas inclusive, de nada valeram as contribuições, taxas e impostos até hoje criados e arrancados da população. Na Habitação (déficit habitacional e saneamento básico), para que tem servido os impostos cobrados pelos governos nas esferas municipal, estadual e federal? Na Educação, precisa dizer alguma coisa? Na Segurança, cito o exemplo da Taxa de incêndio criada para reequipar o Corpo de Bombeiros. Basta observar o estado dos veículos, os equipamentos empregados, etc.
Neste país, não adianta ter recursos, vemos que existem, até em demasia, mas são muito mal administrados. Gasta-se desnecessariamente e indevidamente. Os escândalos não param de ser noticiados.
No fundo esta dinheirama que é arrecadada só tem servido para alimentar a corrupção, a ineficiente máquina governamental e os bolsos dos políticos.
Os senadores precisam ser pressionados pela sociedade para impedir a aprovação deste novo engodo.
Que o governo aprenda a gerir melhor os recursos já arrecadados e respeitar a distribuição das verbas de acordo com o estabelecido no plano orçamentário.
Chega de desviar recursos para beneficiar os “amigos”, programas sociais demagógicos ou, ainda, serem utilizados como instrumento de barganha na aprovação de matérias de seu interesse.