Frase

"A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus." (de Bonald).
São Paulo, sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Propaganda dos chinelos Havaianas incentiva promiscuidade

Autor: Edson Oliveira   |   00:05   6 comentários


Observação: a análise abaixo diz respeito aos personagens da propaganda e não aos atores que desempenharam os papéis.

Recentemente ocorreu uma polêmica sobre a nova propaganda dos chinelos Havaianas onde uma avó incentiva sua jovem neta a ter uma vida promíscua.

Na cena, sob protesto da avó que vê sua neta usando chinelos dentro do restaurante, a jovem defende o uso desta indumentária como um sinal de modernidade: “Deixa de ser atrasada, né, vó!”.

Até aí nada de extraordinário. Cena comum e típica. Abstraindo o chinelo, o argumento é conhecido. Ele foi utilizado em quase todo o século XX e os maiores disparates ganharam direito de cidadania assim: acusando seus opositores de “anti-modernos”, “atrasados”, “caretas”, etc. A propaganda revolucionária não dispensava essa tática para fazer caminhar a sociedade no sentido da utopia marxista. Tudo quanto era obstáculo a eles logo ficava tachado como anti-moderno. E a mídia nisso tanto ajudou – e ajuda!

A Igreja, a moral, a ética, o papado, as monarquias, os reis, os nobres, os proprietários, as tradições, as elites, a aristocracia, até os sapatos, tudo entrou para o Index Anti-Modernorum Prohibitorum. Quem isso defendesse estava excomungado pelas leis da modernidade que encaminha a sociedade para uma igualdade cada vez mais radical, uma liberdade total, mas numa fraternidade onde a liberdade não gere desigualdade. Ideal esse tão caro ao antigo morador da casa localizada na Brückenstrasse, nº 664, atualmente nº 10, em Trier, Alemanha.

Os jovens da década de 60, para satisfazer seus caprichos libertários, assim também tachavam seus pais e avós que se calavam envergonhados, como se estivessem diante de um forte argumento... argumento vazio de idéia, mas cheio de ameaças.

Explico.

Aristóteles ensinou que o Homem é um ser sociável por natureza. A modernidade com suas doutrinas filosóficas loucas e gagás combate esse velho pensador, mas usa uma de suas máximas sociológicas como arma para fazer a sociedade aceitar suas bandeiras. Quando alguém é chamado de “atrasado” fica dito indiretamente algo assim: “Olhe, tome cuidado, o mundo não é mais assim, você vai ficar isolado!”.

É a chantagem do isolamento social. E diante da ameaça de ter que cumprir essa pena dolorosa, aplicada a todos os que cometem o crime hediondo de contrariar os ventos modernos, a reação do instinto de conservação sugere aos réus da modernidade o famoso “ceder para não perder”. Exemplo disso é o elogio que a velha faz ao chinelo depois que a neta a chama de atrasada. A avó muda até de aparência, desfaz a cara de carrancuda e passa para um sorriso amigável.

A novidade da propaganda vem agora.

Entra em cena um “menino da televisão”. Um jovem que aparenta ter a mesma idade da moça. A avó então diz que a neta “tinha que arrumar um rapaz assim”. Mas a neta contra-argumenta dizendo que devia ser muito ruim casar com alguém famoso. A velha avó que deve ter vivido sua terceira década de vida nos anos 60, pegando em cheio toda aquela revolta sexual, diz com uma voz desolada: “Mas quem falou em casamento, tô falando em sexo!”.

Ao contrário da reação que teria um hippie baderneiro da Woodstock, de cujos cantores a avó-hippie deve ter vinis guardados, a neta sorriu desconcertada como quem não esperava tal atitude de uma senhora de idade. Então a velha-avó-hippie conclui o comercial: “Depois eu que sou atrasada?”

Não sei se foi intenção dos marqueteiros, mas ao menos o vídeo demonstra, salvo melhor juízo, certa realidade ao frisar que as gerações mais novas não acompanharam em certo sentido o ardor do prazer suíno da Revolução de 68, a qual a personagem avó-hippie pegou em cheio.

Aquela velha ameaça que um jovem libertário falaria para seus maiores tempos atrás, agora uma velha libertária fala para seus menores. O mundo gira mesmo! O pêndulo do velho relógio da História está voltando para o outro lado.

Em todo caso, o comercial passava durante o dia e inúmeras crianças assistiram ao convite da avó-hippie. Novamente a mídia acolitando a Revolução cultural.

Veja o comercial:


A propaganda, a contragosto dos produtores, não é mais transmitida pela TV por causa dos inúmeros protestos que recebeu. A prova do desgosto deles é a mensagem televisiva que eles colocaram no lugar:

6 comentários:

Olha, acabei de postar no Sucessão a ordenação epicopal de d. edson na amazônia e as imbecis palavras dele e agora vejo isso, afff o mundo está louco!

Vou roubar a matéria.

abraço

Postei aqui eu link:

http://sucessaoaapostolica.blogspot.com/

O que é link interno?

Se clicar no meu nome vai ao Sucessão.

Acessei seu blog e, ao clicar no link LEIA, aparece como "página não encontrada".

NOssa!! n sei o que há, arrumei agora. abraço