Frase

"A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus." (de Bonald).
São Paulo, quinta-feira, 9 de junho de 2011

Ideologia do gênero: O termo pai e mãe é substituído no Canadá por “Fornecedores de forças genéticas”

Autor: Edson Oliveira   |   15:53   3 comentários


O Instituto Plinio Corrêa de Oliveira acabou de publicar uma importante matéria escrita por Atílio Faoro sobre a implantação do ensino da ideologia do gênero nas escolas francesas (Cfr.: Ideologia do gênero inspira os manuais escolares franceses. Opinião católica reage, 9/6/2011).

O artigo explica que a ideologia do gênero é "baseada na doutrina marxista da luta de classes. No caso, seria uma luta entre o homem e a mulher, uma luta entre os sexos masculino e feminino. Assim, abre-se o caminho para livrar a sociedade das normas heterossexuais e para a aceitação das condutas homossexuais".

Quando o governo Lula tentou afundar o Brasil com o PNDH-3, veio à luz do dia um termo que os pensadores do PT tiraram do subterrâneo da pendatice universitária: desconstrução da heteronormatividade. Para a ideologia do gênero, conforme o artigo acima mencionado "é preciso desconstruir tudo o que pode lembrar as normas de uma sociedade fundada sobre a diferença sexual: não falar mais do papel do pai, da mãe, do casamento e da filiação resultante de relações biológicas. A família social seria privilegiada em função da família biológica".

Infelizmente essa perigosa filosofia já influência a legislação de alguns países: "Na Espanha, fala-se em progenitor 1 e de progenitor 2. No Canadá, o Código Civil retirou as palavras pai e mãe e as substituiu pela estranha e confusa noção de fornecedor de forças genéticas."

Como bem descreveu o professor Plinio Corrêa de Oliveira, o objetivo do processo revolucionário é destruição de "toda uma ordem de coisas legítima, e substituí-la por uma situação ilegítima. E 'ordem de coisas' ainda não diz tudo. É uma visão do universo e um modo de ser do homem, que a Revolução pretende abolir, com o intuito de substituí-los por outros radicalmente contrários."

"(...) Assim, o que tem sido destruído, do século XV para cá, aquilo cuja destruição já está quase inteiramente consumada em nossos dias, é a disposição dos homens e das coisas segundo a doutrina da Igreja, Mestra da Revelação e da Lei Natural. Esta disposição é a ordem por excelência. O que se quer implantar é, per diametrum, o contrário disto. Portanto, a Revolução por excelência". (Cfr.: Revolução e Contra-Revolução, Parte I, Cap. 7. Os negritos são meus)