Frase

"A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus." (de Bonald).
São Paulo, segunda-feira, 21 de novembro de 2011

"Bolsa Família" do período monárquico saia do bolso do Imperador

Autor: Edson Oliveira   |   11:26   1 comentário



No Brasil, durante o regime monárquico, havia também uma espécie de "Bolsa Família", mas com diferenças significativas. Essa política de assistencialismo é hoje feita por governos populistas e demagógicos com dinheiro tirado do bolso dos contribuintes para fins eleitoreiros e outros mais obscuros. Enquanto que no período da monarquia o auxílio aos "necessitados, enfermos, viúvas e órfãos" tinha toda uma atmosfera de caridade evangélica e os gastos saiam do bolso do próprio Imperador Dom Pedro II.

Conforme a coluna de Dante Mendonça no jornal Paraná Online, quatro dias após a proclamação da República foi aprovado o seguinte decreto (os negritos são meus):
Considerando que o senhor D. Pedro II pensionava, de seu bolso, a necessitados e enfermos, viúvas e órfãos, para muitos dos quais esse subsídio se tornava o único meio de subsistência e educação;

Considerando que seria crueldade envolver na queda da monarquia o infortúnio de tantos desvalidos;

Considerando a inconveniência de amargurar com esses sofrimentos imerecidos a fundação da República;

Resolve o Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil:

Artigo 1° - Os necessitados, enfermos, viúvas e órfãos, pensionados pelo Imperador deposto continuarão a perceber o mesmo subsídio, enquanto durar a respeito de cada um a indigência, a moléstia, a viuvez ou a menoridade em que hoje se acharem.

Artigo 2° - Para cumprimento dessa disposição se organizará, segundo a escrituração da ex-mordomia da casa imperial, uma lista discriminada quanto à situação de cada indivíduo ou à quota que lhe couber.

Artigo 3° - Revogam-se as disposições em contrário.

Sala das sessões do Governo Provisório, em 19 de novembro de 1889 - Manuel Deodoro da Fonseca - Aristides da Silveira Lobo - Rui Barbosa - Manuel Ferraz de Campos Sales - Quintino Bocaiúva - Benjamim Constant Botelho de Magalhães - Eduardo Wandenkolk".
(Publicada na "Revista da Semana", do Rio de Janeiro, número especial, de 28 de novembro de 1925)

Parece que nosso primeiro presidente, Marechal Deodoro, não quis arcar com dinheiro próprio a ajuda aos necessitados como fazia Dom Pedro II e jogou a obrigação para os cofres públicos. E assim começou a República... com a mão no bolso dos brasileiros.

Dom Pedro II morreu no exílio, em Paris, no dia 5 de dezembro de 1891 e o governo republicano do Brasil se negou a participar das homenagens que o governo da França fez ao falecido Imperador.

1 comentários:

Bom dia! Eu queria saber qual é a sua opinião sobre o auxilio paletó e o auxilio moradia?